AR/censura: Cristas quer moção contra Governo “esgotado” do PS e das "esquerdas unidas"
Terça, 19 Fevereiro 2019 15:51    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

assuncao cristas mocao 2A líder do CDS-PP apresentou, de surpresa, a sua segunda moção de censura ao Governo “esgotado” do PS sem avisar o seu ex-parceiro, o PSD, e apenas “deu nota” do que ia fazer na sexta-feira ao Presidente.

Assunção Cristas justificou a moção de censura, que é debatida na quarta-feira pelo parlamento, com “o esgotamento” do executivo, “incapaz de encontrar soluções” para o país e de só estar a pensar “nas próximas eleições”.

Após a conferência de imprensa de Cristas, demorou pouco menos de duas horas, até às 18:00, para se perceber pela posição do PS, PCP e BE qual o destino da moção de censura intitulada “Recuperar o futuro”. Mesmo que, em teoria, o PSD se abstivesse, o chumbo era o destino, dado que para ser aprovada precisaria 116 votos a favor.

A aprovação da moção de censura implicaria, constitucionalmente, a queda do Governo.

No parlamento, sucederam-se as declarações do PCP e do BE – votavam contra. O PEV remeteu a posição para o fim de semana, mas no sábado também alinhou no voto contra. O PS, naturalmente, vota contra.

O PSD reservou para mais tarde uma resposta definitiva e o apoio à moção do CDS apenas foi confirmado na segunda-feira de manhã, passados três dias depois de Assunção a anunciar.

O anúncio da moção foi feito na sexta-feira, véspera de duas convenções partidárias - uma europeia, do PS, para divulgar o nome de Pedro Marques para cabeça de lista às eleições de maio, e outra, nacional, do PSD, para discutir propostas para as legislativas de outubro – e a dois dias de uma remodelação governamental, decorrente das escolhas dos socialistas para as europeias, noticiada há semanas pelos jornais.

Um tema abordado pela presidente dos centristas ao dizer: “Se a preocupação central do PS é a propaganda eleitoral, prometendo agora tudo o que não fez ao longo de quase quatro anos, a própria remodelação já não é um exercício de governação, mas uma mera conveniência eleitoral e de propaganda que nada acrescenta, nós não ficaremos à espera", afirmou.

O previsível voto contra do PS e das "esquerdas unidas", como Cristas chama à coligação de partidos no apoio ao executivo, deixaria o CDS isolado, mas Assunção Cristas desdramatizou a falta de diálogo à direita.

"O debate é feito no parlamento. O CDS não tem nenhum medo de ficar sozinho. O CDS sente que tem ao seu lado uma grande e boa parte do país com quem nós falamos diariamente", disse ainda.

O texto da moção são três páginas e meia, 13.612 carateres, com o título "Recuperar o futuro", em que se focam o que o CDS considera "falhanços" do executivo minoritário do PS, com o apoio das "esquerdas unidas", como Cristas lhes chama, a começar pela saúde e as paralisações e instabilidade neste setor.

O investimento público, em "mínimos históricos", é outro problema apontado ao Governo minoritário chefiado por António Costa, "ao contrário de todas as promessas". Um exemplo disso é o desinvestimento, por exemplo, na ferrovia, que ficou em 5% do previsto até dezembro de 2018.

Os três anos e meio de governação do PS foram, para o CDS, "uma oportunidade perdida", dado que caiu "a qualidade e capacidade dos serviços", ao mesmo tempo que se está a "agravar a carga fiscal" sobre os portugueses, "a maior carga de sempre".

O executivo, acusam ainda os centristas, "não faz o que devia para estimular" a economia e compromete Portugal na União Europeia (UE), ao "apoiar o fim da regra da unanimidade em matéria fiscal".

"O Governo falha às pessoas, falha na dimensão social, falha na economia, falha no investimento e falha na soberania e segurança dos portugueses", lê-se ainda no texto da moção.

Assunção Cristas sintetizou a crítica numa frase: "O Governo está esgotado e o primeiro-ministro perdido. Um Governo que cria problemas, mas que é incapaz de encontrar soluções. Um Governo desorientado, desconcertado, sem ambição e sem programa."

Esta será a segunda moção de censura ao Governo minoritário do PS, chefiado por António Costa, ambas apresentadas pelo CDS, e a 30.ª em 45 anos de democracia, após o 25 de abril.

 

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga