Assunção Cristas: "Somos o único partido que recusa servir de muleta a Costa"
Sábado, 08 Setembro 2018 22:56    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

cristas ermesinde 2Sem nunca se referir ao PSD, a líder do CDS-PP fez a sua rentrée assumindo uma distinção face ao antigo parceiro de coligação governativa. “Somos alternativa a António Costa e às esquerdas encostadas. Somos o único partido que recusa servir de muleta a António Costa”, afirmou Assunção Cristas este sábado na festa das famílias, em Ermesinde, Valongo.

Nos últimos dias, dirigentes do CDS têm vindo a sublinhar a ideia de o partido ser a alternativa ao PS. Apesar de já ser uma das linhas discursivas que vingou no congresso de Março, os centristas escolhem agora realçar esse posicionamento quando Rui Rio é criticado internamente por fazer aproximar o PSD do Governo de António Costa.

Com os partidos à esquerda da bancada socialista, PCP, BE e PEV, a suportarem o Governo, o CDS aproveita para se distanciar e assumir-se como a “alternativa” a quem não quer votar no PS nas legislativas do próximo ano. “Para nós, o futuro de Portugal não passa por António Costa à frente do Governo. Estamos a trabalhar para isso e vamos continuar afincadamente. Ninguém nos demove. Temos visão e temos ambição. A alternativa somos nós”, reforçou.

No arranque do ano político – em que estão marcadas três eleições para 2019 – a líder do CDS foi directa ao assunto. Posicionou o CDS como uma “alternativa livre, desassombrada e descomplexada” e garantiu que o voto no CDS “não viabilizará um Governo de António Costa”. Reiterando que o CDS pretende ser a “primeira escolha”, como já o tinha feito no congresso em Março, Cristas apelou aos eleitores: “Quem quer António Costa, quem consente António Costa, tem muitas opções. Quem quer uma verdadeira alternativa tem um único voto seguro: o voto no CDS.”

No seu discurso deste sábado, Assunção Cristas fez um balanço da intervenção do CDS nos últimos meses e deixou já antever alguns dos compromissos do partido para o programa eleitoral: um deles é baixar o IRS “em todos os escalões de forma bem pensada e progressiva”, repor o quociente familiar (que pretende beneficiar as famílias com filhos) e aplicar tabelas “reduzidas a metade no interior do país”. “Só assim estaremos a ser justos com todos, a promover a natalidade e a ajudar à coesão territorial”, argumentou.

Na área da saúde, o CDS propõe alargar a ADSE (sistema de benefícios para os funcionários da Administração pública) a todos os portugueses. Cristas recupera ainda outra proposta fiscal que tem sido apresentada no Parlamento: eliminar a baixa do ISP nos combustíveis. “E não nos digam que mais vale baixar passes sociais. Só quem não conhece o país fora das grandes cidades, só quem não sabe que em muitas zonas do nosso país simplesmente o transporte colectivo não existe e não há qualquer alternativa ao automóvel é que pode fazer esse raciocínio”, afirmou. 

Na questão dos passes sociais, o CDS prefere a criação de um modelo familiar “para todo o país” como uma medida integrada nos incentivos à natalidade. Neste domínio, Cristas adiantou que vai não só defender “uma política fiscal amiga das famílias em todos os impostos” como apresentar propostas em matéria de conciliação trabalho/família e exigir “uma cobertura total de creches, contratualizando, nomeadamente, com o sector privado”.

Na área da justiça, o CDS está a trabalhar em propostas de alteração “estruturais” que podem até “implicar uma revisão constitucional”. Mas para já Cristas deixou uma certeza. “Continuaremos a pugnar pela recondução da actual procuradora-geral de República, que nos dá garantias de isenção e de independência”, afirmou, assumindo uma posição que se diferencia do PSD. Rui Rio só vai tomar uma posição pública sobre este assunto depois de o primeiro-ministro e o Presidente da República colocarem o dossier em cima da mesa.

A líder do CDS referiu-se ainda a propostas na área laboral como a da consagração do trabalho à distância como uma opção temporária (o smartworking), uma proposta que o PÚBLICO revelou esta semana.

 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga