Venezuela: CDS quer Governo a apoiar e pagar regresso de portugueses
Segunda, 24 Setembro 2018 23:08    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

cds logoO CDS-PP propôs hoje que o Governo adote um “plano de apoio” e pague “as despesas de viagem dos portugueses e lusodescendentes” em "situação de necessidade" que queiram regressar a Portugal devido à crise na Venezuela.

Esta é a primeira das sete propostas que o CDS-PP faz num projeto de resolução com uma recomendação ao Governo, liderado pelo socialista António Costa, entregue hoje na Assembleia da República, em Lisboa, para ser votado pelo parlamento.

O projeto de resolução não tem força legal, sendo muitas vezes utilizado, politicamente, pelos partidos com recomendações a entidades oficiais, em especial ao Governo.

Na descrição do CDS, a “recente evolução da situação na Venezuela é profundamente alarmante”, com “fome, miséria, supermercados vazios, crianças subnutridas, falências em 90% das empresas nacionalizadas ou expropriadas, queda de 50% na produção média e perdas generalizadas, escassez de 90% em bens essenciais”, numa crise “comparável à crise migratória na Europa”.

E face à presença de grande comunidade portuguesa, o CDS afirma, no texto da resolução, que “o Estado português tem a obrigação moral e política em relação aos cidadãos portugueses e lusodescendentes que pretendam regressar e fixar-se em território nacional”.

A primeira das sete propostas sugeridas é que o executivo tome “medidas de apoio” a quem quer regressar, “custeando e providenciando as despesas com as viagens” a todos que, “estando numa situação de necessidade” queiram passar a viver em Portugal.

O CDS-PP prevê que esses custos sejam reembolsáveis num prazo razoável e na medida da sua integração e capacidade financeira, de três a cinco anos.

Algumas das outras medidas passam por “garantir a eficácia” nos processos de nacionalidade, ponderar, no Orçamento do Estado de 2019, “eventuais benefícios fiscais” a quem queira regressar ou ainda “agilizar os processos de autorização e residência”.

Na quinta-feira, o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que 34 gerentes de “grandes supermercados”, portugueses ou lusodescendentes, foram detidos por violar a lei.

No dia seguinte, na sexta-feira, em Lisboa, o Ministério dos Negócios Estrangeiros convocou o embaixador venezuelano para lhe transmitir a “grande preocupação” do Governo pela detenção dos 34 gerentes de duas cadeias de supermercados portugueses.

Já hoje, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, o ministro Augusto Santos Silva teve uma reunião com o seu homólogo venezuelano.

 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga