CDS quer ouvir Lucília Gago e Marques Vidal sobre Tancos
Terça, 20 Novembro 2018 09:07    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

pgrsA lista de audições do CDS-PP para a comissão parlamentar de inquérito aos acontecimentos de Tancos ainda não está definida, mas o PÚBLICO sabe que a atual procuradora-geral da República, Lucília Gago, será chamada. Do mesmo modo, a sua antecessora no cargo, Joana Marques Vidal, também consta da convocatória dos centristas.

Joana Marques Vidal já tinha revelado a sua disponibilidade para ser ouvida no que definiu como “instâncias próprias”. A propósito de uma informação veiculada pela RTP de que a então procuradora terá telefonado ao ex-ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, um dia após o aparecimento das armas roubadas em Tancos, Marques Vidal foi peremtória. "Não vou confirmar ou infirmar o que uma testemunha prestou ou terá prestado, no âmbito de um inquérito que está em investigação e que está em segredo de justiça. Estou pronta para esclarecer no local próprio, quando me quiserem convocar as entidades com competência para tal", declarou. Segundo a RTP, no telefonema a Azeredo Lopes a então procuradora terá demonstrado desagrado por a Polícia Judiciária Militar (PJM) continuar a investigar o caso, numa altura em que a investigação já tinha passado para a alçada da Polícia Judiciária.

Marques Vidal e Lucília Gago são consideradas, pelos centristas, personalidades incontornáveis para serem ouvidas na “comissão parlamentar de inquérito sobre as consequências e responsabilidades políticas do furto do material militar em Tancos”, a designação da iniciativa parlamentar. Neste mesmo patamar de inevitabilidade, consta, ainda, o primeiro-ministro, António Costa, que já se prestou a declarar por escrito aos deputados.

Embora durante esta semana ainda decorram várias reuniões para decidir mais convocados, que deverão ser anunciados até ao fim-de-semana, os centristas têm claro outros nomes que consideram imprescindíveis. Do antigo ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes e do seu primeiro chefe de gabinete, tenente-general Martins Pereira, ao atual titular da pasta, João Gomes Cravinho, passando pelo ex-chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, e quem o substituiu, general José Nunes da Fonseca.

Este mesmo critério é seguido para o antigo responsável da PJM, coronel Luís Vieira, que se encontra em prisão preventiva, e o novo diretor daquela polícia, o capitão-de-mar-e-guerra Paulo Isabel. O major Vasco Brazão, em prisão domiciliária e coordenador da investigação da PJM a Tancos, também vai à comissão parlamentar, a solicitação dos centristas.

Graça Mira Gomes, secretária-geral do SIRP [Sistema de Informações da República Portuguesa] e Helena Fazenda, secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, são outras das responsáveis a serem ouvidas. A estes se deverão juntar outros nomes decorrentes das audições.

 

Como o PÚBLICO já revelou em anterior edição, o Presidente da República não será ouvido, por o objeto da comissão parlamentar ser a fiscalização da ação do Governo. E, mesmo que fosse possível, os centristas descartariam chamar Marcelo. Do mesmo modo, também não está prevista a audição do antigo chefe da Casa Militar de Belém, tenente-general José Ramirez Cordeiro que, a seu pedido, foi exonerado daquelas funções no final de Dezembro de 2017.

 

Fonte: Público

A lista de audições do CDS-PP para a comissão parlamentar de inquérito aos acontecimentos de Tancos ainda não está definida, mas o PÚBLICO sabe que a actual procuradora-geral da República, Lucília Gago, será chamada. Do mesmo modo, a sua antecessora no cargo, Joana Marques Vidal, também consta da convocatória dos centristas.

Joana Marques Vidal já tinha revelado a sua disponibilidade para ser ouvida no que definiu como “instâncias próprias”. A propósito de uma informação veiculada pela RTP de que a então procuradora terá telefonado ao ex-ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, um dia após o aparecimento das armas roubadas em Tancos, Marques Vidal foi peremptória. "Não vou confirmar ou infirmar o que uma testemunha prestou ou terá prestado, no âmbito de um inquérito que está em investigação e que está em segredo de justiça. Estou pronta para esclarecer no local próprio, quando me quiserem convocar as entidades com competência para tal", declarou. Segundo a RTP, no telefonema a Azeredo Lopes a então procuradora terá demonstrado desagrado por a Polícia Judiciária Militar (PJM) continuar a investigar o caso, numa altura em que a investigação já tinha passado para a alçada da Polícia Judiciária.

Marques Vidal e Lucília Gago são consideradas, pelos centristas, personalidades incontornáveis para serem ouvidas na “comissão parlamentar de inquérito sobre as consequências e responsabilidades políticas do furto do material militar em Tancos”, a designação da iniciativa parlamentar. Neste mesmo patamar de inevitabilidade, consta, ainda, o primeiro-ministro, António Costa, que já se prestou a declarar por escrito aos deputados.

Embora durante esta semana ainda decorram várias reuniões para decidir mais convocados, que deverão ser anunciados até ao fim-de-semana, os centristas têm claro outros nomes que consideram imprescindíveis. Do antigo ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes e do seu primeiro chefe de gabinete, tenente-general Martins Pereira, ao actual titular da pasta, João Gomes Cravinho, passando pelo ex-chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, e quem o substituiu, general José Nunes da Fonseca.

Este mesmo critério é seguido para o antigo responsável da PJM, coronel Luís Vieira, que se encontra em prisão preventiva, e o novo director daquela polícia, o capitão-de-mar-e-guerra Paulo Isabel. O major Vasco Brazão, em prisão domiciliária e coordenador da investigação da PJM a Tancos, também vai à comissão parlamentar, a solicitação dos centristas.

 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga