Inquérito/Tancos: CDS quer na comissão todos documentos em poder na AR
Quinta, 22 Novembro 2018 20:13    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

telmo correia copy copyO CDS-PP pediu hoje que seja enviada toda a documentação em poder do parlamento, na comissão de Defesa ou outras, para a comissão de inquérito ao furto de material militar dos paióis de Tancos.

O pedido foi feito pelo deputado e coordenador do CDS, Telmo Correia, na primeira reunião da comissão de inquérito, criada para “apurar as responsabilidades políticas” em torno do furto, noticiado em junho de 2017.

A comissão parlamentar de Defesa Nacional tem em seu poder documentos enviados pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que estão sob segredo de justiça e fechados num cofre na Assembleia da República, mas PCP, PS e BE pretendem que sejam devolvidos.

Não enviar os documentos para a comissão de inquérito, "daria um sinal muito preocupante", de que a comissão não os queria, afirmou Telmo Correia, anunciando que o partido iria entregar um requerimento.

Na resposta, ainda no debate sobre os objetivos da comissão, Jorge Machado, do PCP, disse esperar que "não se repita a vergonha" da comissão de inquérito às contrapartidas na compra de equipamento militar, em que estava em causa, disse, "uma nebulosa" com a compra dos submarinos.

Telmo Correia, recordou Jorge Machado, era presidente dessa comissão, que pôs fim dos trabalhos do inquérito, "sem ouvir testemunhas e sem esperar por documentos solicitados" pelos partidos.

Em 11 de outubro, a PGR enviou ao parlamento um conjunto de documentos com "informação processual" relativa ao furto de material militar dos paióis de Tancos, na sequência de um requerimento da iniciativa do CDS-PP visando que o titular da investigação criminal esclarecesse se, de facto, a lista do material militar furtado e a lista do que foi recuperado estava em segredo de justiça, como alegou em julho o ex-chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, para não a entregar na Assembleia da República.

A discussão também foi acalorada, entre o deputado do CDS Telmo Correia e o deputado do PS Ascenso Simões, por este ter dito, numa primeira fase, que a documentação recebida pela PGR poderia enviada da comissão de Defesa para a comissão de inquérito.

Uma contradição apontada pelos centristas e explicada por Ascenso Simões por, quando tomou essa posição, não saber ainda que parte da documentação remetida está em segredo de justiça.

PCP, PS e Bloco mantiveram a posição de outubro, segundo a qual os documentos deveriam ser devolvidos, podendo a comissão de inquérito pedir os elementos que quiser à PGR.

O requerimento apresentado pela bancada do CDS teve o apoio do PSD, através de Carlos Peixoto, com o argumento de que "se são úteis à comissão de Defesa, são úteis à comissão de inquérito".

A votação do pedido dos centristas foi adiada para a próxima reunião da comissão de inquérito, agendada para 05 de dezembro.

Os partidos têm um prazo de 10 dias para apresentar os chamados "requerimentos rogatórios", ou seja, pedidos de documentação e de personalidades e entidades a ouvir pela comissão que, por ser de inquérito, tem poderes para-judiciais.

O objetivo da comissão, lê-se na resolução do CDS-PP aprovada no parlamento em 26 de outubro, é “identificar e avaliar os factos, os atos e as omissões” do Governo “relacionados direta ou indiretamente com o furto de armas em Tancos”, de junho de 2017, data do furto, ao presente, e “apurar as responsabilidades políticas daí decorrentes”.

A lei fixa em 180 dias o prazo para a conclusão de um inquérito parlamentar, podendo, porém, ser decidido o prolongamento do mandato por mais 90 dias.

O furto do armamento dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de junho de 2017, e, quatro meses depois, foi recuperada parte das armas.

Em setembro, a investigação do Ministério Público à recuperação do material furtado, designada Operação Húbris, levou à detenção para interrogatório de militares da Polícia Judiciária Militar e da GNR e foi nessa altura que o CDS anunciou a comissão de inquérito, aprovada apenas com a abstenção do PCP e do PEV.

Este caso já levou à demissão do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, substituído por João Gomes Cravinho, e do Chefe do Estado-Maior do Exército Rovisco Duarte.

 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga