Tancos. CDS chama primeiro-ministro à comissão de inquérito
Segunda, 03 Dezembro 2018 22:51    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

tancos

O primeiro-ministro, António Costa, é o último da lista de personalidades que o CDS-PP propôs hoje ouvir na comissão de inquérito ao furto de Tancos, que chega a 45 pessoas, entre ministros, investigadores e suspeitos.

O regime dos inquéritos parlamentares prevê que o primeiro-ministro goza da prerrogativa de responder por escrito, se o preferir, devendo remeter à comissão, no prazo de dez dias a partir do momento em que for notificado, uma "declaração sob compromisso de honra, relatando o que sabe sobre "os factos indicados".

Para além do primeiro-ministro, que o CDS-PP já tinha anunciado querer ouvir, os democratas-cristãos propõem as audições do ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes, e do atual, João Gomes Cravinho, do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e da ministra da Justiça, Franscisca Van Dunen.

No requerimento, o CDS-PP propõe que aqueles nomes sejam os últimos a ser ouvidos, depois de militares, investigadores e dos elementos já constituídos arguidos no âmbito do processo judicial.

A lista do CDS-PP começa pelos tenentes-generais António Menezes e José Antunes Calçada, ex-comandante das Forças Terrestres e ex-comandante da Logística, respetivamente, que saíram do Exército em divergência com a forma como o então Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), Rovisco Duarte, geriu o caso de Tancos.

Os comandantes das cinco unidades com a responsabilidade de fazer a vigilância dois paióis de Tancos, exonerados por Rovisco Duarte e readmitidos quinze dias depois, o ex-CEME e chefe de gabinete, general Feliciano, e o ex-chefe de gabinete de Azeredo Lopes, general Martins Pereira, são os seguintes na lista do CDS-PP.

Os democratas-cristãos querem ouvir também o ex-assessor militar no gabinete do primeiro-ministro vice-almirante Monteiro Montenegro, e o atual, major-general Tiago Vasconcelos.

O atual chefe do Estado-Maior do Exército, general Nunes da Fonseca, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, almirante Silva Ribeiro, o ex-diretor da Polícia Judiciária Militar (PJM) coronel Luís Vieira, o ex-porta-voz da instituição major Vasco Brazão, o ex-diretor do departamento de investigação criminal da PJM coronel Manuel Estalagem e mais três investigadores da PJM constam do requerimento do CDS-PP.

Aquele partido quer ainda ouvir os três militares da GNR que surgiram envolvidos no processo do aparecimento do material militar na Chamusca, sargentos Lima Ramos, José Gonçalves e o guarda Bruno Ataíde, e Paulo Lemos e João Paulino, apontados como informadores e suspeitos.

No penúltimo conjunto de audições propostas surgem à cabeça o diretor nacional da Polícia Judiciária, Luís Neves, o ex-diretor Almeida Rodrigues, a ex-procuradora-geral da República Joana Marques Vidal e a atual, Lucília Gago, o ex-secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa Júlio Pereira e a atual detentora do cargo, Graça Mira Gomes, bem como a secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda.

Os deputados do CDS-PP na comissão de inquérito – Telmo Correia, António Carlos Monteiro e Álvaro Castello-Branco – propuseram ainda chamar a ex-chefe de gabinete do anterior ministro da Defesa Maria João Mendes, o atual diretor da PJM, Paulo Isabel, e o atual e anterior comandante-geral da GNR, generais Botelho Miguel e Mateus Couto, respetivamente.

A comissão parlamentar de inquérito sobre as consequências e responsabilidades políticas do furto do material militar dos paióis de Tancos iniciou os trabalhos em 14 de novembro e tem como objeto "identificar e avaliar os factos, os atos e as omissões" do Governo "relacionados direta ou indiretamente com o furto de armas em Tancos", de junho de 2017, data do furto, ao presente, e "apurar as responsabilidades políticas daí decorrentes".

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de junho de 2017.

Em setembro, a investigação do Ministério Público à recuperação do material furtado, designada Operação Húbris, levou à detenção para interrogatório de militares da Polícia Judiciária Militar e da GNR e foi nessa altura que o CDS anunciou a comissão de inquérito, aprovada apenas com a abstenção do PCP e do PEV.

Actualizado em ( Sexta, 07 Dezembro 2018 13:03 )
 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga