ISP: Palavra dada, palavra desonrada
Quarta, 28 Novembro 2018 22:53    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

mota soaresDepois de PS, PCP, BE e PEV terem chumbado a proposta da direita para eliminar o adicional do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP), o CDS voltou a trazer o assunto ao plenário, esta manhã, no período das avocações de artigos do Orçamento do Estado (OE) 2019. Na votação em plenário, o resultado manteve-se mas CDS e PSD voltaram a carregar nas críticas aos parceiros do PS.

Logo na abertura deste período de debate, o deputado do CDS-PP e ex-ministro Pedro Mota Soares considerou que a sobretaxa criada pelo atual Governo "pesa muito" sobre as famílias portuguesas, estimando que este imposto aumente o custo em 14 cêntimos por litro no gasóleo e em oito cêntimos na gasolina.

No plano político, Pedro Mota Soares acusou, depois, o Governo de "falhar com a sua palavra" nesta matéria ao rejeitar as propostas da sua bancada.

"Estamos perante uma questão de honrar a palavra não só por parte do Governo e do PS, mas também por parte da coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, e do líder parlamentar do PCP, João Oliveira" acusou.

As bancadas da maioria de esquerda mantiveram-se em silêncio, o que levou Mota Soares a uma segunda intervenção para rematar: “Não estava à espera que ficassem a zero.”

 

Actualizado em ( Segunda, 03 Dezembro 2018 23:21 )
 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga