Acidente/Borba: CDS-PP acusa Governo de reagir "sempre tarde e sob pressão”
Quinta, 27 Dezembro 2018 18:35    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

joao almeida bancada DRO CDS-PP acusou hoje o Governo de reagir “sempre tarde e sob pressão” a tragédias, depois de o Conselho de Ministros ter aprovado a atribuição de indemnizações às famílias das cinco vítimas do acidente na pedreira de Borba.

“O CDS regista que o Governo relativamente a tragédias, que infelizmente se têm sucedido, reage sempre tarde e sob pressão”, criticou o deputado e porta-voz do CDS-PP, João Almeida, em declarações à Lusa.

O deputado democrata-cristão salientou que, “desde a primeira hora”, o CDS-PP disse que eram devidas indemnizações por parte do Estado e que o Governo “devia pagá-las imediatamente”, sem prejuízo de poder depois ser ressarcido por entidades que viessem a ser consideradas responsáveis.

“Mas, o primeiro-ministro chegou até a dizer, questionado pela líder do CDS num debate quinzenal, que o Governo não o ia fazer. É evidente que tinha de o fazer, era perfeitamente escusado que voltasse a demorar para tomar esta decisão”, afirmou.

No último debate quinzenal na Assembleia da República, em 11 de dezembro, Assunção Cristas questionou António Costa se o Governo iria indemnizar as famílias das vítimas do acidente de Borba, com o primeiro-ministro a não se comprometer diretamente a fazê-lo, alegando não confundir “Estado com outras pessoas de direito público”.

O tom de voz subiu, depois, em resposta à bancada do CDS-PP e ao seu líder parlamentar, Nuno Magalhães, que encolheu os ombros à resposta.

“Não esteja a sacudir o ombro. Eu assumo todas as responsabilidades, mas não assumo a que não é minha. Não estamos a falar do dinheiro do António Costa, mas do dinheiro dos contribuintes e tenho de gerir com muito respeito”, alertou.

João Almeida salientou ainda que “só o CDS e o Presidente da República é que insistiram para que essas indemnizações fossem imediatamente pagas”.

“Para acautelar desde já o ressarcimento pelos danos sofridos, e perante a ausência de qualquer ação por parte das entidades públicas ou privadas imediata e diretamente responsáveis, entendeu-se estabelecer um procedimento extrajudicial, célere e eficiente, para o pagamento das indemnizações por perdas e danos pela morte das vítimas do mencionado acontecimento trágico”, lê-se no comunicado do Conselho de Ministros extraordinário realizado hoje.

De acordo com o texto, os prazos e procedimentos necessários para requerer a indemnização serão fixados pela Provedora de Justiça, bem como o montante “a pagar em cada caso concreto”.

No comunicado é referido que o Governo avança com o pagamento das indemnizações, mas salvaguarda-se que, caso se verifique o apuramento de responsabilidades de terceiros, estes devem restituir os valores ao Estado.

“Esta decisão não prejudica o apuramento de eventuais responsabilidades relativamente às quais possa vir a ser exercido o direito de regresso por parte do Estado”, lê-se no documento.

No comunicado é ainda recordado que o relatório preliminar ao acidente, apresentado em 20 de dezembro, “aponta responsabilidades claras a entidades terceiras”, indiciando que a administração central “poderá não ter prosseguido de forma diligente as atribuições de fiscalização” das pedreiras.

“Não se pode excluir, nesta fase, uma responsabilidade indiciária, concorrente e indireta do Estado, por via da omissão de diligência no exercício dos seus deveres de fiscalização das pedreiras envolventes da estrada municipal”, admite-se na nota do Conselho de Ministros extraordinário.

De acordo com o Governo, não é possível excluir também que a “causa principal da derrocada” tenha sido a “atividade das pedreiras adjacentes e a consequente responsabilidade das entidades que as exploram”.

Em 19 de novembro, o deslizamento de um grande volume de rochas, blocos de mármore e terra e o colapso de um troço da Estrada Municipal 255 para o interior de duas pedreiras contíguas em Borba (distrito de Évora) causou cinco vítimas mortais.

 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga