Tancos: Exonerações após furto inseriram-se em estratégia de comunicação
Quinta, 10 Janeiro 2019 22:12    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

antonio carlos monteiro comissao copy

O coronel Ferreira Duarte revelou hoje que o ex-chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) lhe disse que a decisão de o exonerar, em julho de 2017, fazia parte de uma “estratégia de comunicação” para mostrar a transparência da instituição.

Numa “conversa privada” no dia 03 de julho de 2017, o general Rovisco Duarte, ex-CEME, “pediu desculpa pelo impacto que a decisão teve nas famílias” [dos coronéis exonerados], explicou que foi uma “decisão dele que fez parte de uma estratégia de comunicação externa”, para garantir a transparência e o prestígio da instituição.

O coronel de Infantaria Ferreira Duarte respondia ao deputado do CDS-PP António Carlos Monteiro na comissão parlamentar de inquérito ao furto de Tancos, noticiado em 29 de junho.

O militar era à altura do furto o comandante do Regimento de Infantaria n.º 15, de Tomar, uma das unidades responsáveis por fornecer militares para a vigilância dos paióis nacionais de Tancos e foi, com outros quatro comandantes, exonerado pelo ex-CEME no dia 01 de julho e nomeado para as mesmas funções no dia 18 seguinte.

O coronel, atualmente a frequentar o curso de promoção a general, revelou o conteúdo da conversa mantida com Rovisco Duarte após o presidente da comissão de inquérito, o deputado Neto Brandão, ter explicado que devia responder à questão do deputado António Carlos Monteiro por se relacionar com matéria factual e não da reserva da vida privada.

Segundo o coronel Ferreira Duarte, o general Rovisco Duarte telefonou-lhe a comunicar a decisão antes de a anunciar na televisão, no dia 01 de julho e, no dia 03, tiveram uma conversa na qual o ex-CEME lhe explicou os motivos da decisão.

“E eu compreendi”, disse, admitindo “impactos na vida familiar”, mas frisando acreditar que a decisão “foi tomada em consciência”.

O general CEME “pediu desculpa pelo impacto que a decisão teve nas famílias, o que teve… e que foi uma decisão dele que fez parte de uma estratégia de comunicação externa, que prestigiava a instituição”, referiu, para adiantar: “Por razões de clareza” e de garantias “de transparência” na “postura do Exército” enquanto decorressem os três inquéritos que mandou abrir internamente na sequência do furto.

Perante as declarações do coronel Ferreira Duarte, o deputado António Carlos Monteiro questionou se face ao furto o comando do Exército não estaria mais preocupado com a imagem do que com o furto.

“Não acredito que a preocupação tenha sido a imagem. (…) Eu entendi que a exoneração era para ajudar a mostrar que a investigação era completamente transparente”, acrescentou.

Mais à frente na audição, com várias perguntas sobre as exonerações, o coronel disse que a “exoneração não é uma punição”, sendo antes “uma figura que existe e é perfeitamente normal”.

E sobre a questão da imagem na gestão dos acontecimentos, o coronel disse que “não partilha da perceção” de que a condução do caso ao nível do comando do Exército tivesse sido feita a pensar “na imagem”.

“A imagem é importante, mas não conseguimos criar imagem se não formos credíveis, é muito importante que se acautele a credibilidade”, declarou, sublinhando acreditar que esta é também a visão dos oficiais com quem aprendeu.

Questionado sobre as demissões apresentadas por dois generais na sequência das exonerações dos cinco coronéis, o então comandante das Forças Terrestres, António Menezes, e o general Calçada, o coronel Ferreira Duarte afirmou que nunca lhes perguntou os motivos.

“São dois brilhantes generais que nós temos pena que se tenham ido embora, é a minha opinião pessoal, pela sua experiência e capacidade de comando. Mas não podemos fazer nada quanto a isso”, referiu.

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de junho de 2017.

O caso do furto de armas em Tancos ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos, numa operação do Ministério Público e da Polícia Judiciária, sete militares da Polícia Judiciária Militar (PJM) e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do roubo.

Entre os detidos está o diretor da PJM e um civil (que já foi militar), principal suspeito da prática do furto, encontrando-se ambos em prisão preventiva, num caso que levou à demissão de Azeredo Lopes do cargo de ministro da Defesa e cujas implicações políticas levaram à criação de uma comissão parlamentar de inquérito.

 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Lisboa Presidente do CDS-PP

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga