Tancos: As "muitas avarias e muitas deficiências" eram conhecidas - comandante
Quinta, 17 Janeiro 2019 23:36    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

tancos armasA comissão de inquérito ao furto de Tancos ouviu hoje o quarto testemunho de um oficial a confirmar que eram conhecidas, na hierarquia do Exército, as “muitas avarias e muitas deficiências” na vigilância dos paióis.

O coronel Dionísio Peixeiro, comandante do Regimento de Paraquedistas, e um dos que foi suspenso por duas semanas após o furto, em junho de 2017, esteve quase três horas a ser ouvido pelos deputados, e contou alguns detalhes da degradação a que chegaram as instalações.

Dionísio Peixeiro afirmou que foi “sendo sempre recatado”, que “os equipamentos complementares” para os oito militares que faziam as rondas, como o sistema de videovigilância ou sensores, tinham “muitas avarias, muitas deficiências” e deixaram de funcionar a partir de certa altura.

Os deputados, à medida que falavam, repetiam e insistiam nas mesmas perguntas: os “escalões acima”, ou seja, a Brigada de Reação Rápida, que coordenava o trabalho das quatro unidades que mensalmente enviava militares para fazer a vigilância, os comandantes operacional, das forças terrestres e de logística.

Apesar de ter dito que sabia que havia preocupação com a situação nos paióis, nos escalões acima e no “comando do Exército”, o coronel nunca falou diretamente no general Rovisco Duarte, ex-Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), que se demitiu após este caso que também levou à queda do ministro da Defesa Azeredo Lopes.

Dionísio Peixeiro até admitiu que existia uma “expectativa e confiança na cadeia de comando” na resolução dos problemas identificados nos relatórios feitos pelos regimentos responsáveis pela vigilância dos paióis nacionais de Tancos.

“Sempre relatámos as deficiências que detetámos”, disse o coronel, admitindo que, nas duas rotações de militares feitas pelo regimento que comanda desde 2016, “as deficiências eram as mesmas”.

As deficiências iam desde a falta de videovigilância, um sistema que ainda usava cassetes vídeo, de sensores junto às vedações ou de telefones nas instalações onde ficavam instalados os soldados – oito a cada 24 horas – e que tinham até falta de condições de higiene, pelo que descreveu.

Questionado por Jorge Machado, do PCP, por que motivo aceitava o seu regimento fazer esta vigilância, nestas condições, Dionísio Peixeiro afirmou que estas missões foram “cumpridas com grande esforço dos militares”.

E quanto a não ter sido dada prioridade à instalação de um sistema moderno de videovigilância, o coronel do Exército admitiu não conseguir colocar-se dentro “das cabeças dos generais”.

Do PSD ao PCP, todos perguntaram como avaliou a sua exoneração, durante 17 dias, do comando do regimento de paraquedistas, tendo Dionísio Peixeiro admitido que recebeu com “desconforto, discordância, incompreensão”, o mesmo que disse sentir entre o meio militar.

Uma exoneração que lhe foi comunicada, “telegraficamente”, por telefone, por Rovisco Duarte, e que recebeu “com incompreensão”, mas “aceitando a decisão do general chefe”.

Esta exoneração temporária, admitiu, "foi o melhor" que o ex-CEME "conseguiu fazer".

Durante a reunião, os deputados do CDS-PP pediram a audição do militar responsável pela redução do número de militares, de cerca de 40 para oito, com a missão de fazer as rondas nos paióis, uma área equivalente a 39 campos de futebol.

Os centristas querem também que sejam enviados à comissão de inquérito os relatórios de todos os comandantes responsáveis pela segurança dos paióis.

A bancada do PCP entregou também um requerimento pedindo os "relatórios adicionais" sobre as insuficiências nos paióis, mencionados pelo coronel Alves Pereira, ouvido na quarta-feira na comissão.

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de junho de 2017.

O caso do furto de armas em Tancos ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos, numa operação do Ministério Público e da Polícia Judiciária, sete militares da Polícia Judiciária Militar (PJM) e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do roubo.

Actualizado em ( Sexta, 18 Janeiro 2019 16:22 )
 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga