CDS marca para quinta-feira debate de atualidade no parlamento sobre CGD
Terça, 22 Janeiro 2019 16:39    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

joao almeida passos perdidos gp

O CDS-PP marcou para quinta-feira um debate de atualidade, com o Governo, no parlamento, para “clarificar o que está em causa e a responsabilidade” do Estado nas irregularidades detetadas na Caixa Geral de Depósitos (CGD).

O anúncio foi feito hoje, na Assembleia da República, em Lisboa, pelo deputado e porta-voz do CDS-PP João Almeida, dois dias depois de ter sido noticiada a versão preliminar de uma auditoria ao banco do Estado que revela irregularidades.

É preciso, afirmou, “de uma vez para todas” clarificar “o que está em causa e a responsabilidade que o Estado tem”, como acionista da CGD.

“Não deixaremos de cumprir a nossa missão, exigindo responsabilidade por créditos sem garantias, sem avaliar se havia ou não condições para o pagarem, de bónus pagos a administradores que causaram prejuízos”, enumerou João Almeida.

No debate, onde o CDS-PP espera que esteja o ministro das Finanças, os centristas querem ainda saber o motivo de “a supervisão”, o Banco de Portugal, voltar “a não ver o que se passava num banco tão relevante no sistema financeiro português como é a CGD”, assim como o motivo de existirem Governos que “se demitem da responsabilidade de representarem” os contribuintes.

O deputado João Almeida afirmou ver “muito negativamente” que a auditoria tenha sido revelada por uma comentadora numa TV, a ex-deputada bloquista Joana Amaral Dias, dado que o parlamento tinha pedido acesso a essa informação e foi-lhe negado.

O CDS-PP “conseguiu até que um tribunal se pronunciasse positivamente sobre o acesso da Comissão de Inquérito à CGD a essa informação”, mas “essa decisão judicial foi revogada politicamente pelo PS, BE e PCP, que decidiram acabar com a comissão de inquérito antes que essa decisão se pudesse executar”, acrescentou.

O parlamentar centrista admitiu que não pode fazer-se uma discussão adequada sobre esta auditoria revelada pelos órgãos de informação, porque “não há uma certificação efetiva da informação”.

E o Governo, acusou ainda, “demite-se totalmente de participar no apuramento de responsabilidades”.

Revelada na CMTV por Joana Amaral Dias e depois noticiado em vários órgãos de comunicação, a auditoria da EY (antiga Ernst&Young) à CGD refere que os administradores da instituição receberam “remuneração variável” e “voto de confiança”, mesmo com resultados negativos.

O documento é crítico, sobretudo, do período 2000-2008, em que “não foi obtida evidência dos princípios orientadores para a remuneração variável aplicada, concluindo-se que as decisões foram tomadas de forma avulsa”: “Mesmo perante resultados negativos foi decidido atribuir remuneração variável e emitido voto de confiança”, é referido.

A auditoria realça ainda que, “em nenhum momento, foi identificada a atribuição de remunerações variáveis em forma de instrumento financeiro” que incentivassem a um equilíbrio entre capital e riscos, nem a implementação de cláusulas de ‘clawback’, que permitem vincular os gestores com as decisões passadas.

A EY acredita que estas medidas poderiam ter contribuído para um “processo de decisão de crédito mais sustentado e atento ao risco, tendo por referência as operações analisadas na presente auditoria”, permitindo ainda apurar responsabilidades “nas perdas significativas verificadas entre 2011 e 2015”, lê-se no documento.

Segundo vários jornais, em 46 créditos de risco médio a elevado, a CGD emprestou 2,96 mil milhões de euros e perdeu 1,2 mil milhões, revela a auditoria pedida pelo Governo e que não tinha sido divulgada até agora.

Hoje, o Ministério das Finanças afirmou que o relatório da auditoria "contém informação sujeita a sigilo bancário, motivo pelo qual não é suscetível de disponibilização ao acionista".

Actualizado em ( Terça, 22 Janeiro 2019 16:58 )
 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga