“Foram PS, BE e PCP que bloquearam acesso aos devedores da Caixa”
Terça, 29 Janeiro 2019 14:32    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

ASSUNCAO CRISTAS FAMALICAOEsta segunda-feira, Nuno Magalhães tinha dado a entender que o CDS apoiava a iniciativa de convocar nova comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, perante os novos dados da auditoria entretanto tornada pública. Disse que o CDS iria “recorrer a todo e qualquer instrumento regimental” para fiscalizar os “abusos manifestados”, mas esta terça-feira Assunção Cristas mudou ligeiramente o ónus: o CDS não obstaculiza nenhuma forma de apurar a verdade, mas lembra que, há dois anos, foram os partidos da esquerda que “fecharam a comissão de inquérito” e “impediram que os deputados tivessem acesso à lista dos grandes devedores da Caixa”.

Ou seja, não venham agora pedir uma nova comissão de inquérito para fazerem o mesmo da outra vez. “O Parlamento já podia ter tido conhecimento, há dois anos, dessa lista dos grandes devedores que agora foi conhecida”, insistiu Assunção Cristas, criticando o facto de agora esses mesmos partidos virem pedir uma nova comissão, que seria já a terceira sobre o mesmo tema, a seis meses do fim da legislatura.

Depois do PSD de Rui Rio ter admitido fazê-lo, esta terça-feira foi a vez de o PS, que estipulou como requisitos para um novo inquérito a entrega do relatório da auditoria realizado pela EY à Assembleia da República e a promulgação, por parte do Presidente da República, do diploma que permite às comissões de inquérito ter acesso a todas as informações que solicitem aos bancos. Só nessas condições é que os socialistas dizem que faz sentido constituir aquele que seria já o terceiro inquérito parlamentar ao banco público.

Sobre isso, contudo, Cristas tem dúvidas de que haja tempo. “Ainda há tempo, a seis meses do fim da legislatura (e com europeias pelo meio?), não sei se há tempo, mas há sempre tempo para descobrir a verdade”, disse no discurso de encerramento das jornadas parlamentares do CDS em Braga. E explicou que, no seu entender, a verdade pode-se descobrir de várias maneiras: “pode ser agora, podemos esperar que a auditoria da EY chegue ao Parlamento, ou podemos esperar mais algum tempinho, a verdade é que por nós já devia ter sido há dois anos”.

Recuperando o que Nuno Magalhães já tinha dito no discurso de abertura das jornadas, Assunção Cristas reforçou que o CDS não vai desperdiçar as propostas para a Justiça que entregou no Parlamento e que estão há quase um ano em banho-maria à espera das propostas dos restantes partidos. Não se referindo diretamente ao PSD — nunca o fez no decorrer destes dois dias de jornadas, embora tenha feito várias críticas veladas –, a líder centrista recusou-se a esperar que os “outros” partidos convertam as suas ideias em propostas e vai convocar um debate para irem todos a jogo. O PSD chegou a desenhar um pacote para a Justiça, mas no âmbito do Conselho estratégico, não o tendo convertido em propostas legislativas, nem o tendo sequer entregue aos deputados sociais-democratas (o que motivou muitas queixas internas).

Piscando o olho ao eleitorado mais jovem, e fazendo questão de sublinhar que não é só o eleitorado mais velho que vota no CDS, mas “todos aqueles que querem uma alternativa para o país”, Assunção Cristas mostrou nestes dois dias em Braga que já está em modo de campanha.

Disse que o CDS está “um passo à frente em todas as áreas”, que é “a alternativa” e que está “preparado para o futuro”. Mas disse mais: que o CDS quer “sair da cepa torta”, e que isso não se faz nem com a receita do PS, nem com a receita que “infelizmente foi aplicada durante os anos da troika”. Ou seja, o CDS quer poder governar com a sua própria receita, não com a receita do anterior governo PSD/CDS. Uma receita que, nota, nunca foi testada.

“Sabemos que o que o CDS defende não pôde ser, até agora, aplicado no nosso país, nunca tivemos essa possibilidade, mas não desistimos de trabalhar para isso”, disse. E falou do PSD a toda a hora, implicitamente e sempre sem nomear o adversário (que continua a ser o partido com quem eventualmente teria de se juntar no day after).

 

Fonte: Observador

Actualizado em ( Quinta, 31 Janeiro 2019 18:29 )
 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga