CDS quer distanciar-se do PSD e estar ao lado do Presidente
Segunda, 28 Janeiro 2019 23:01    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

assuncao e nuno bragaNo arranque do ano eleitoral de 2019, a mensagem do CDS-PP está desenhada: críticas ao Governo e distanciamento do PSD. Nas primeiras jornadas parlamentares do ano, já em clima da pré-campanha, o partido de Assunção Cristas assume-se como a “oposição liderante” e ainda como apoiante de uma eventual recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa à Presidência da República.

A posição de apoio foi assumida no arranque das jornadas, em Braga, por Assunção Cristas, no final de uma vista a uma empresa têxtil, em Guimarães, em resposta à porta aberta deixada por Marcelo Rebelo de Sousa de voltar a ser candidato. “Obviamente quem apoiou à primeira apoia à segunda”, disse Assunção Cristas, tornando­-se assim a primeira líder partidária a declarar apoio ao eventual candidato a Belém. Mais cauteloso foi Rui Rio que, enquanto líder do PSD, observou apenas que é normal os Presidentes candidatarem-se a um segundo mandato.

Dentro do CDS, a declaração de apoio a Marcelo não é pacífica. Raul Almeida, conselheiro nacional e crítico da liderança de Assunção Cristas, lamenta ao PÚBLICO a declaração da líder do CDS “sem falar com o partido e sem que o candidato já tenha anunciado” a intenção de continuar em Belém. Apesar de fazer uma “avaliação muito positiva do mandato” de Marcelo Rebelo de Sousa, Raul Almeida defende que o partido “não pode ficar refém do primeiro apoio” e que, “como instituição, esse apoio tem de ter no mínimo uma consulta e validação no conselho nacional”. Na mesma linha, Abel Matos Santos, porta-voz da tendência Esperança em Movimento, corrente interna do CDS, sustenta que "é imprescindível" consultar os órgãos do partido e que a declaração de apoio "deve obedecer a critérios rigorosos de avaliação do mandato prévio".

 

Desafio sobre justiça

Sempre acompanhada pelo cabeça de lista do CDS às europeias, o eurodeputado Nuno Melo, e dos restantes três candidatos, Assunção Cristas visitou as instalações da Lameirinho, percorreu salas com maquinaria pesada e só na costura encontrou mais trabalhadoras com quem trocou algumas palavras.

No final da visita, a mensagem era crítica para o Governo e sem quaisquer comentários para a visita de Pedro Santana Lopes, líder da Aliança, ao bairro da Jamaica, no Seixal. “Há um arrefecimento da economia e não há nenhuma política do Governo para estimular o crescimento económico”, disse.

Acompanhada depois por alguns deputados, a líder do CDS seguiu para o Hospital de Braga, uma Parceria Público-Privada que está em risco de terminar. Aqui, depois de se reunir com a administração, aproveitou para criticar a “embirração ideológica” do Governo de querer pôr fim ao contrato com a unidade de saúde que tem “bons resultados” e com a qual o Estado “poupa dinheiro”.

O Governo viria novamente a ser o alvo das críticas no discurso de abertura das jornadas, que decorreu já num hotel em Braga. Foi o líder da bancada, Nuno Magalhães, que puxou pelo tema da segurança para condenar a “serenidade” do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, após os actos de vandalismo nas últimas noites nos arredores de Lisboa e Setúbal. Nuno Magalhães acusou os partidos que apoiam o Governo de serem “complacentes” com “esses actos”, em relação aos quais criticou a falta de “medidas firmes” do Governo.

Se as críticas à "geringonça" foram claras, já o distanciamento face ao PSD ficou implícito. Nuno Magalhães vai desafiar os restantes partidos a assumir uma posição sobre medidas para o pacto da justiça, depois de as propostas dos centristas – em resposta a um apelo do presidente da República - terem ficado paradas na comissão há nove meses, à espera de projectos de outras bancadas. O líder da bancada do CDS não referiu, mas o PSD tentou um pacto de justiça, fora do Parlamento, mas a proposta de Rui Rio encontrou pouco eco nos restantes partidos.

Já quase em jeito de balanço da sessão legislativa, Nuno Magalhães apontou o exemplo da justiça – em que o CDS foi o único a apresentar propostas no âmbito de um pacto – mas também a marcação da agenda com o estado das infra-estruturas, o estatuto fiscal do interior, a discussão sobre demografia e ainda a realização de um debate de actualidade sobre a Caixa Geral de Depósitos. O líder da bancada centrista conclui: “Temos liderado a oposição”.

 

Fonte: Público

 

História CDS

user4_pic

Conheça a história do Grupo parlamentar do CDS.

Parlamento Direto

bancada copy

Videos do Plenário, comissões e outras intervenções.

Iniciativas CDS

1 reuniao gp

Projetos de Lei e Projetos de Resolução apresentados pelo Grupo Parlamentar.

Deputados CDS

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Leiria Presidente do CDS-PP

News image

Nuno Magalhães

Círculo Eleitoral Setúbal Presidente do Grupo Parlamentar Vice-Pres...

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Vice-Presidente do Grupo Parlamentar Vic...

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Hélder Amaral

Círculo Eleitoral Viseu Vice-Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Teresa Caeiro

Círculo Eleitoral Faro Vice-Presidente da Assembleia da República

News image

António Carlos Monteiro

Círculo Eleitoral Aveiro Secretário da Mesa da Assembleia da Repúblic...

News image

Álvaro Castello-Branco

Círculo Eleitoral Porto

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Filipe Anacoreta Correia

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Ilda Araújo Novo

Círculo Eleitoral Viana do Castelo

News image

Isabel Galriça Neto

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

João Rebelo

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Patrícia Fonseca

Círculo Eleitoral Santarém

News image

Pedro Mota Soares

Círculo Eleitoral Porto

News image

Vânia Dias da Silva

Círculo Eleitoral Braga