CDS-PP sugere adiamento de nova Lei de Bases da Saúde para depois das eleições
Segunda, 01 Julho 2019 11:22    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

ana rita bessa capital ISH 2O CDS-PP defendeu nesta segunda-feira um adiamento da Lei de Bases da Saúde para a próxima legislatura, após as eleições de Outubro, por considerar não haver, nem à esquerda nem à direita, condições de negociar um novo diploma.

Em declarações aos jornalistas, à margem de uma reunião da direcção do CDS com a CIP – Confederação Empresarial de Portugal, em Lisboa, a deputada Ana Rita Bessa disse lamentar que se continue, “com algum grau de irresponsabilidade”, a “tentar produzir uma lei que já se percebeu que não tem condições para ser aprovada”.

“Se calhar, a cautela recomendaria que, no final da legislatura, assumíssemos que não há essas condições, [para] uma convergência plena em prol de uma lei mais actualizada daquilo que são direitos dos cidadãos”, afirmou, para concluir a seguir: “Se calhar, tem de ficar para a próxima legislatura.”

A deputada do CDS aconselhou PS e Bloco de Esquerda a tentarem “honrar a memória” de dois dos seus dirigentes que lançaram o debate da nova lei de bases, António Arnaut, o socialista que ajudou a fundar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), e João Semedo, médico e ex-líder do BE.

Ana Rita Bessa tinha lembrado que o CDS já dissera, em Junho, que desconfiava muito de um Governo que, depois de negociar seis meses com os partidos da esquerda, vinha, “ao tocar do gongo”, aproximar-se do PSD para tentar um entendimento e que seria “muito difícil, de repente”, criar “uma lei consistente” com a “linha de aproximação à direita”.

 

 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Lisboa Presidente do CDS-PP

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga