CDS questiona Governo sobre dados divulgados nos últimos dias sobre ‘Taxa de mortalidade materna’
Terça, 26 Novembro 2019 15:06    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail


PORDATA mortalidade maternaNuma pergunta dirigida à ministra da Saúde, a deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa quer saber se se confirmam os dados divulgados recentemente e que revelam um aumento preocupante da ‘Taxa de mortalidade materna’.

Ana Rita Bessa quer saber se a ministra confirma os dados revelados pela PORDATA (citando o INE|DGS/MS) que reportam um aumento sucessivo da ‘Taxa de mortalidade materna’ nos últimos quatro anos, sendo que em 2018 atingiu o valor mais alto registado – 19,5 (%ooo) – desde a década de 80 do século XX.

Sendo que a própria DGS reconhece que a mortalidade materna é um indicador da facilidade de acesso da mulher aos cuidados de saúde e da capacidade do sistema de saúde para responder às suas necessidades, a deputada do CDS-PP quer saber que problemas estão identificados pela tutela que justifiquem este aumento.

Numa última questão, e tendo, em maio, a DGS emitido uma Nota de Imprensa onde se referia que «as mortes maternas poderão aumentar em Portugal, […] pelo que a monitorização e vigilância serão reforçadas», Ana Rita Bessa questiona que medidas têm vindo a ser tomadas no sentido de procurar diminuir e/ou conter este aumento preocupante da ‘Taxa de mortalidade materna’.

De acordo com a última atualização da PORDATA referente à ‘Taxa de mortalidade materna’ – o número de mortes de mulheres devido à gravidez, ao parto ou ao pós-parto por cada 100 mil crianças que nascem com vida –, verifica-se um aumento que, a confirmar-se, é deveras preocupante e extremamente grave.

Refere a PORDATA (citando, como fonte, o INE|DGS/MS) que em 2015 a taxa foi de 7,0 (%ooo), em 2016 foi de 6,9, em 2017 foi de 10,4 e em 2018 foi de 19,5, o valor mais alto registado desde a década de 80 do século XX (ver anexo).

No site da Direção-Geral da Saúde (DGS) pode ler-se, numa Nota de Imprensa de 13 de maio de 2019, que:

«A mortalidade materna é influenciada por fatores como a idade da mulher na gravidez e no parto e a gravidade da patologia subjacente, que leva a maior complexidade nos cuidados a prestar e aumenta o risco de doença e de morte.

A mortalidade materna é considerada também um indicador da facilidade de acesso da mulher aos cuidados de saúde e da capacidade do sistema de saúde para responder às suas necessidades.»

Os dados oficiais que constam, também, no site da DGS referem que «entre 2014 e 2017, quase 60% das mortes maternas ocorreu em mulheres com mais de 35 anos […]», e referem que «as mortes maternas poderão aumentar em Portugal, dadas as características da nossa população de grávidas e parturientes, pelo que a monitorização e vigilância serão reforçadas.»

Actualizado em ( Terça, 26 Novembro 2019 15:26 )
 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Assunção Cristas

Círculo Eleitoral Lisboa Presidente do CDS-PP

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga