PIB mostra necessidade de plano de retoma e "atenção às exportações"
Sexta, 15 Maio 2020 00:00    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

cecilia meireles autarcas cdsO CDS-PP considerou hoje que a descida de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) português no primeiro trimestre do ano, devido à pandemia, realça a necessidade de dar "especial atenção às exportações" e de um plano para a retoma.

Em declarações à agência Lusa, a deputada Cecília Meireles disse que olha para esta queda "com preocupação".

"Nós estamos a falar ainda de dados do primeiro trimestre, portanto, de um momento em que a pandemia ainda se estava a fazer sentir de forma muito mitigada, mas realmente os dados já mostram bem o congelamento da economia", assinalou.

O PIB português caiu 2,4% no primeiro trimestre do ano face ao mesmo período de 2019, devido aos efeitos económicos da pandemia de covid-19, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"O Produto Interno Bruto (PIB), em termos homólogos, diminuiu 2,4% em volume no 1.º trimestre de 2020, após o aumento de 2,2% no trimestre anterior. A contração da atividade económica reflete o impacto da pandemia covid-19 que já se fez sentir significativamente no último mês do trimestre", pode ler-se numa estimativa rápida hoje divulgada pelo INE.

Já relativamente ao último trimestre de 2019, a recessão foi de 3,9%, depois de um aumento de 0,7% em cadeia face ao terceiro trimestre de 2019.

Para responder a esta situação, o CDS defende "concentração na retoma" e "especial atenção às exportações".

"Eu acho que é fundamental que Portugal comece já a preparar um plano de retoma agora na reabertura na economia", assinalou Cecília Meireles, exemplificando que entre as medidas poderiam incluir-se a prorrogação de pagamentos de impostos, que "podiam já estar em marcha", ou a "aceleração do reembolso do IRS".

Para a centrista, é "muito preocupante" que "Portugal seja o único país da Europa que discute um Programa de Estabilidade e um Programa Nacional de Reformas [debate que decorreu esta semana na Assembleia da República] sem projeções macroeconómicas e sem planeamento financeiro".

"Nós temos já que começar a olhar para o futuro, o presente só vai correr bem se as empresas souberem com aquilo que contam e souberem o que é que o país está a planear fazer no que toca à retoma", salientou a deputada.

Por isso, defendeu, "este não é um assunto para deixar para amanhã, devia ser feito já hoje".

"E enfim, acho que o que se passou com o ministro das Finanças já foi lamentável que chegue", criticou a democrata-cristã.

No que toca às exportações, Cecília Meireles pediu uma "atenção especial porque são um motor importante da economia", e os dados conhecidos hoje mostram que foram "muito mais afetadas do que a procura interna".

"E os seguros de crédito, que muito importantes, estão parados", criticou a deputada do CDS, apontando que "o parlamento já aprovou um aumento do 'plafond' para seguros de crédito".

Portanto, "é preciso que o Governo aja", reforçou.

"É evidente que os recursos de Portugal são limitados, mas controlamos o fator tempo, e as ajudas que o Governo estabeleceu não chegaram depressa", vincou Cecília Meireles.

Portugal contabiliza 1.190 mortos associados à covid-19 em 28.583 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais seis mortos (+0,5%) e mais 264 casos de infeção (+0,9%).

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro