25 de Abril: O poder político permite para si próprio o que proibiu aos portugueses
Sábado, 25 Abril 2020 00:00    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
telmo correia 25 abril 2020Leia na íntegra a intervenção do líder parlamentar Telmo Correia na Sessão Solene Comemorativa do 46.º Aniversário do 25 de Abril de 1974:
 
 

Senhor Presidente da República,

Senhor Presidente da Assembleia da República,

Senhor Primeiro-ministro e Senhores Membros do Governo,

Senhor ex-Presidente da República,

Senhor Cardeal Patriarca de Lisboa,

Ilustres Convidados,

Senhoras e Senhores Deputados,

Começo por recordar que o CDS não só discordou desta cerimónia em tempo de pandemia e em estado de emergência, como propôs uma alternativa viável e responsável para uma evocação que consideramos fundamental, por representar a Liberdade. Isso nunca esteve em causa.

Olho para esta sala e verifico até que os partidos que a impuseram a foram reduzindo e espaçando, em número de deputados e convidados. Afinal, ao contrário do que disseram, a questão nunca foi ideológica. Quanto muito, era de lógica.

E não usarei sequer a Liberdade, que devo ao 25 de Abril, para responder ao muito que ouvimos, por termos esta posição. Isso qualifica sobretudo quem o proferiu.

E não ofende quem quer.

O CDS é um dos quatro partidos históricos da nossa democracia e a voz representativa da Democracia Cristã, neste Hemiciclo, desde as primeiras eleições livres. Não aceitamos lições de Democracia de ninguém.

Com esta cerimónia, em Estado de Emergência, o que o poder político está a dizer é que permite para si mesmo, aquilo que proibiu aos portugueses. E que não respeita para si próprio o que exigiu ao povo – isolamento e confinamento.

Enquanto aqui celebramos, os portugueses não se podem juntar para celebrar nada, nem o seu próprio aniversário.

Enquanto aqui celebramos, os nossos idosos estão isolados e as crianças deixaram de poder ver os seus amigos.

Muitas são as famílias que não puderam, sequer, despedir-se dos seus mortos.

Milhares perderam o seu emprego e inúmeras empresas foram obrigadas a fechar.

Muitos não poderão estar com as suas mães no próximo dia 3 de Maio ou celebrar a sua fé no próximo dia 13.

Em Democracia não há datas prescindíveis e outras imprescindíveis por imposição da maioria. No país, esta celebração dividiu os portugueses quando o momento é de união.

Todo o país deve respeito a este Parlamento, mas o Parlamento também deve respeitar os portugueses.

Hoje, 25 de Abril de 2020, a nossa liberdade coletiva é defendida por todos os que, na primeira linha, estão a salvar vidas, mas também por todos aqueles que, respeitando o que o poder político determinou, estão confinados, abdicando da sua liberdade individual.

Por isso, este é um mau exemplo.

Ainda assim, estamos aqui mandatados para, coerentemente, lavrar o nosso protesto democrático, não deixando de cumprir o nosso dever.

Viva a Democracia. Viva Portugal.

 

Palácio de S. Bento, 25 de Abril de 2020

 

 

 

Actualizado em ( Domingo, 24 Maio 2020 17:08 )
 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga