CDS quer saber se há intenção de encerrar urgência dos Covões e questiona ministra da Saúde
Segunda, 08 Junho 2020 00:00    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

ana rita bessa capital ISHA deputada do CDS Ana Rita Bessa questionou hoje a Ministra da Saúde sobre a eventualidade ou de encerramento ou de passagem a Serviço de Urgência Básico da Urgência do Hospital dos Covões.

Ana Rita Bessa recorda que ao ser confrontada com a intenção da ARSC e do CA do CHUC de encerrar o Serviço de Urgência do Hospital dos Covões, a ministra afirmou não ter sido oficialmente informada, mas questiona se, entretanto, pode já, ou não, confirmar essa intenção.

A deputada do CDS recorda depois que a ministra afirmou também que «as alterações às redes de referenciação hospitalar, sejam elas de urgência, sejam elas de qualquer outra valência, são processos complexos e que envolvem decisões técnicas», e que as «carteiras de serviços das instituições não são definidas apenas pelas próprias instituições», e questiona como é então possível que tenha sido transmitida aos responsáveis da urgência do Hospital dos Covões que, a partir de 1 de julho, este serviço iria passar a ser um Serviço de Urgência Básico, dando a alteração como garantida.

Numa última questão, Ana Rita Bessa quer saber que medidas vai a ministra tomar para assegurar o regresso da urgência do Hospital dos Covões à normalidade anterior à pandemia, tal como «é desejável», e impedir o seu esvaziamento e encerramento como é intenção da ARSC e do CA do CHUC.

Nos últimos dias soube-se da intenção de encerrar o Serviço de Urgência do Hospital dos Covões, tendo a Administração Regional de Saúde do Centro, após a onda de protestos generalizado na cidade e região, proposta como alternativa a passagem da urgência a urgência básica, mesmo constatando-se que a Urgência do HUC está assoberbada, e sabendo-se que as urgências de Coimbra são o fim de linha de toda a região Centro.

Perante a informação transmitida aos responsáveis da urgência do Hospital dos Covões, de  que, a partir de 1 de julho, «este serviço iria passar a ser um Serviço de Urgência Básico (SUB)», os profissionais da saúde (incluindo médicos e enfermeiros) adiantaram, em comunicado,  que «a decisão agora transmitida, com a aparente anuência da ARS Centro, só pode ter como consequência a concentração de doentes nos HUC, uma estrutura no limite da sua capacidade e sem previsível reforço de recursos humanos».

Em 2011 concretizou-se a fusão dos dois hospitais centrais de Coimbra – Hospital da Universidade de Coimbra (HUC) e Centro Hospitalar de Coimbra (formado pelo Hospital Geral (Covões), o Hospital Pediátrico e a Maternidade Bissaya Barreto) –, daí resultando o CHUC (Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra).

De então para cá, a administração do CHUC tem vindo a concentrar todas as valências de hospital geral central no HUC, esvaziando de recursos humanos e de serviços o Hospital dos Covões.

No entanto, toda a capacidade tecnológica lá instalada permanece, com Unidade de Cuidados Intensivos, Hemodiálise, Unidade de Cuidados Intensivos Coronários, Unidade de Hemodinâmica, Serviço de Urgência, Bloco Operatório, Geral e de Ambulatório, nove salas de operações, TAC, Ressonância Magnética Nuclear, entre outros, sendo que o Hospital dos Covões foi o Hospital de Referência para Covid-19 em Coimbra e na região Centro.

Da acumulação de todas as valências nos HUC resultou o seu superpovoamento, em doentes e funcionários, já que o edificado continua o mesmo que existia quando os hospitais funcionavam separadamente.

Esta situação tem, ao longo dos últimos meses, motivado queixas, protestos e manifestações, tanto da parte dos doentes e dos trabalhadores, como da população da cidade e região, e encontra-se já na AR a Petição Pública – Devolver a autonomia ao Hospital dos Covões (Coimbra). Porque o acesso à saúde é um direito e um dever.

Para amanhã, dia 9 de junho, está previsto a realização de um cordão humano solidário pelo Hospital dos Covões, ao qual a Ordem dos Médicos já manifestou apoio e garantiu presença.

Em comunicado, a OM refere que, «depois de nos últimos meses o Hospital dos Covões, em Coimbra, ter sido uma referência no combate à pandemia, a dedicação e a qualidade dos médicos e restantes profissionais parece estar já a ser esquecida pela tutela», e que a ARSC, «em vez de afastar totalmente a ideia, promovendo uma visão integrada de melhoria dos serviços da região, indicou que a urgência não vai fechar, mas transformar-se antes numa urgência básica, que também não serve o melhor interesse dos doentes».

Questionada sobre esta questão, a Senhora Ministra da Saúde afirmou este domingo não ter conhecimento oficial – mas apenas pelas notícias – da intenção do CHUC vir a encerrar a Urgência do Hospital dos Covões, nem por parte da ARSC nem por parte do Conselho de Administração do CHUC, acrescentando que qualquer decisão tem de ser técnica: «As alterações às redes de referenciação hospitalar, sejam elas de urgência, sejam elas de qualquer outra valência, são processos complexos e que envolvem decisões técnicas», e as «carteiras de serviços das instituições não são definidas apenas pelas próprias instituições».

A Senhora Ministra afirmou também que a reestruturação do Serviço de Urgência do Hospital dos Covões para uma situação mais próxima da anterior à pandemia, é desejável: «As enfermarias afetas à atividade Covid-19 serem utilizadas para atividade não Covid, isso é desejável. Tomáramos nós podermos fazer isso em todos os hospitais do país.»

 

Deputados CDS

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto Presidente do Grupo Parlamentar

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga