CDS quer agravar moldura penal para crimes contra agentes da polícia
Terça, 30 Junho 2020 16:57    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

autoridade debate

O CDS-PP propôs hoje o agravamento da moldura penal para crimes contra agentes da polícia e que seja previsto o crime de “ofensa à integridade física e à honra de agente das forças e serviços de segurança”.

A medida consta de um dos projetos de lei hoje entregues pelo partido no parlamento que, com um projeto de resolução, serão discutidos pela Assembleia da República na quinta-feira, num debate com duração prevista de perto de duas horas e meia.

Um dos projetos propõe uma alteração ao Código Penal para a “revisão das molduras penais aplicáveis a um conjunto de crimes, quando praticados contra agentes das forças e serviços de segurança no exercício das suas funções, ou por causa delas”.

Os centristas querem que quem pratique crimes de dano (punidos com um a oito anos) e dano qualificado (três a 15 anos) seja punido “com pena de prisão de cinco a 15 anos” se forem praticados contra agentes.

No caso de lançamento de projéteis contra veículos, crime atualmente punido com “pena de prisão até um ano ou com pena de multa até 120 dias”, o grupo parlamentar do CDS propõe que, se estiver em causa um “veículo conduzido por agente das forças e serviços de segurança, no exercício das suas funções ou por causa delas”, a moldura penal passe ao dobro, ou seja, “pena de prisão até dois anos ou pena de multa até 240 dias”.

O partido propõe a mesma moldura penal a quem não obedecer à ordem para abandonar um agrupamento público e, “se o desobediente for promotor da reunião ou ajuntamento, é punido com pena de prisão até três anos”, quando até agora é de “dois anos” ou multa até 240 dias.

Os deputados querem ainda que a pena de prisão para quem “empregar violência, incluindo ameaça grave ou ofensa à integridade física, contra funcionário ou membro das Forças Armadas, militarizadas ou de segurança” aumente de “um a cinco anos”  para “de dois a oito anos”.

No caso de desobediência a uma ordem das autoridades, o CDS propõe um aumento da moldura penal para dois anos e multa até 240 dias, o dobro do que está previsto atualmente. Se for desobediência qualificada, a pena de prisão sobre até aos três anos (em vez dos atuais dois).

Num outro projeto de lei, o CDS pretende que seja criado o “tipo legal de crime de ofensa à integridade física e à honra de agente das forças e serviços de segurança”, através de um aditamento ao Código Penal.

Para ofensas simples, a moldura deverá prever prisão de um a cinco anos, no caso de ofensas graves, entre três e 12 anos, e de cinco a 15 anos para ofensa à integridade física qualificada. Para difamação ou injúria a moldura será de prisão até um ano ou multa até 360 dias.

Nos dois textos, os centristas salientam os casos de agressões a agentes da polícia, apontando que “mais de 200 polícias foram agredidos nos primeiros quatro meses” deste ano.

“A banalização, se não mesmo a desvalorização, das agressões e injúrias á polícia é um fenómeno crescente, inserido num clima de provocação, radicalização e instigação ao ódio contra polícias que não é, nem pode ser, aceitável numa sociedade desenvolvida”, salientam os democratas-cristãos.

Para o CDS, é “necessário reforçar os mecanismos legais de proteção e punição dos crimes cometidos contra polícias”.

Já no projeto de resolução, o partido recomenda ao Governo que “agrave a moldura penal aplicável ao crime de desobediência, quando esteja em causa a violação de obrigações legais decorrentes da declaração de estado de calamidade”, atualmente decretado em 19 freguesias da zona de Lisboa, devido à pandemia de covid-19.

No documento, é também pedida uma alteração à “incriminação da propagação de doença, prevista no art.º 283.º do Código Penal, no sentido de simplificar a prova da incriminação, designadamente transformando-o em crime de perigo abstrato, aumentando a moldura penal existente”.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro