Telmo Correia questiona Governo sobre regularização das situações decorrentes do processo de descolonização
Segunda, 03 Agosto 2020 14:40    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

telmo 2020 13O deputado do CDS Telmo Correia questionou o Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros no sentido de saber qual é o ponto de situação dos processos de regularização das situações decorrentes do processo de descolonização, que soluções já foram encontradas pelo atual Governo e o que tenciona fazer futuramente para a conclusão definitiva destes processos.

O Estado português, na sequência do processo de independência dos ex-territórios ultramarinos, contrariando a prática comum das ex-potências ultramarinas, não indemnizou os cidadãos portugueses que tiveram de abandonar esses territórios, deixando para trás os seus bens e outros direitos.

Não obstante, o Governo de Portugal tem, a diversos níveis e em diversas instâncias, assumido a necessidade de repor uma situação de injustiça como a que é vivida há mais de 40 anos, como por exemplo a Resolução do Conselho de Ministros n.º 13/92, de 16 de Maio, através da qual foi criado o Gabinete de Apoio aos Espoliados, reconhecendo-se que “(...) o complexo processo de descolonização, iniciado nas circunstâncias políticas e sociais de todos conhecidas, ocasionou graves repercussões na vida pessoal e profissional de muitos cidadãos que, àquela data, viviam nas ex-colónias portuguesas”.

Em 2005, pelo Despacho Conjunto n.º 107/2005 de 3 de fevereiro, chegou a ser criado um Grupo de Trabalho, na dependência do Ministro das Finanças e da Administração Pública, cujo objetivo consistia em “estudar e propor soluções para as questões pendentes relativas aos cidadãos portugueses residentes nos antigos territórios ultramarinos, no período compreendido entre 25 de abril de 1974 e a data da transferência plena de soberania para os novos governos dos Estados sucessores cujos direitos ou interesses legítimos tenham sido diretamente afetados pelos processos de descolonização”, contudo, nunca chegou a ser nomeado pelo Governo de então, pelo que o objetivo deste Despacho não foi cumprido pelo Governo subsequente.

Em 2012, o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. herdou a documentação, tendo efetuado a digitalização dos 62.698 processos individuais com reclamações e pedidos de indemnizações através de requerimentos enviados por cidadãos que regressaram de Angola e Moçambique após a independência destes territórios.

O principal esforço, o de recolha e sistematização documental, está feito.

Acresce que, ao longo destas quatro décadas foram intentadas várias ações judiciais por ex-residentes em Angola e Moçambique contra o Estado português, algumas delas com ganho de causa [V. o caso de António Aguiar v. Estado português, sobre a restituição dos depósitos efetuados junto do Consulado Geral de Portugal na Beira, em Moçambique, em que o Estado foi condenado na restituição dos depósitos, acrescidos de juros de mora (Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 21 de Maio de 1998)].

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro