CDS questiona tutela sobre Mansão de Santa Maria de Marvila
Quinta, 13 Agosto 2020 15:07    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

MSMMNuma pergunta dirigida à ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, os deputados do CDS João Gonçalves Pereira, Ana Rita Bessa e João Pinho de Almeida querem confirmação do encerramento, ainda em agosto, da Mansão de Santa Maria de Marvila (MSMM), gerida pela Fundação D. Pedro IV.

Questionam depois se é verdade que da parte do Instituto da Segurança Social (ISS) nunca houve disponibilidade para dialogar com a Fundação, procurando respostas conjuntas aos problemas gerados no âmbito do acordo de cooperação, se alguma vez a Fundação tentou reunir com a ministra no sentido de encontrar uma solução conjunta para os problemas da MSMM e com que resultados, e ainda qual o motivo pelo qual o ISS não recoloca os funcionários noutros lares e força, assim, o seu despedimento coletivo.

Os deputados do CDS salientam que de acordo com os familiares, ainda não se sabe para onde serão deslocalizados os utentes, e perguntam em que ponto está esta situação e que medidas estão a ser tomadas no sentido da sua resolução em tempo útil, e também se tem havido diálogo com as famílias.

Finalmente, querem saber qual o motivo para o encerramento abrupto da instituição, levando a que tudo esteja a ser feito “à pressa”, e gerando grande ansiedade nas famílias e nalguns dos utentes e qual o destino que vai ser dado ao antigo convento do séc. XVII que tem albergado a MSMM ao longo de décadas.

Foi esta semana tornado público o encerramento a 27 de agosto da Mansão de Santa Maria de Marvila (MSMM), gerida pela Fundação D. Pedro IV.

De acordo com o que foi divulgado, o motivo para o encerramento abrupto da MSMM é a falta de acordo entre a Fundação D. Pedro IV e o Instituto da Segurança Social (ISS), no que diz respeito à manutenção do acordo de cooperação. De acordo com a Fundação, que alega nunca ter havido diálogo do lado do ISS, este não estava a cumprir as obrigações financeiras com as quais se tinha comprometido.

A notícia inesperada apanhou de surpresa utentes, familiares e os próprios funcionários e terá sido comunicada a 21 de julho, numa reunião durante a qual o ISS comunicou a decisão de encerrar a MSMM, não assumir os trabalhadores – que já receberam a informação sobre o despedimento coletivo – e transferir os utentes para outros equipamentos sociais.

A MSMM tem 160 utentes (140 pessoas idosas, mais 20 deficientes profundos) e 79 trabalhadores. 

Até à data de hoje, e de acordo com exposições de familiares de utentes recebidas no Grupo Parlamentar do CDS-PP, até agora ninguém sabe onde e em que condições os utentes serão recolocados. Os familiares manifestam a sua preocupação pelo risco real de virem a ser colocados longe das famílias, em quaisquer vagas existentes de norte a sul, já que em Lisboa não existem instituições com capacidade para receber os 160 utentes da MSMM – a realidade é a existência de listas de espera enormes e poucos lares.

Esta é uma situação que levanta sérias preocupações, desde logo porque a distância poderá impedir as visitas regulares de familiares, deixando os utentes mais isolados com todas as consequências que tal pode acarretar ao nível da saúde mental, sofrimento e solidão.

Por outro lado, alguns dos 160 utentes da MSMM encontram-se ali há mais de três décadas, vendo nos outros utentes e nos funcionários a sua própria – e, nalguns casos, única – família.

Outra questão pertinente prende-se com o edificado da MSMM, que apesar de degradado e a necessitar de obras estruturais, tratando-se de um antigo convento do séc. XVII, constitui um património considerável.

A Fundação D. Pedro IV é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, cujas origens remontam a 25 de março de 1834, e atua sobretudo nas áreas da infância, habitação social e lares.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro