CDS preocupado com violência contra profissionais de saúde
Sexta, 11 Setembro 2020 17:04    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

violencia contra medicosA deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa quer saber qual o ponto de situação exato e atual relativamente à implementação do Programa Nacional de Prevenção da Violência no Ciclo de Vida e do Plano de Ação para a Prevenção da Violência no Setor da Saúde.

Ana Rita Bessa quer também saber se das falhas apontadas pelas IGAS e das recomendações que fez, o Ministério da Saúde já tomou alguma ação concreta.

A violência contra profissionais de saúde tem vindo a preocupar também o CDS-PP e, nesse sentido, entendemos ser da maior relevância que o Governo vá dando conhecimento ao Parlamento das diligências que tem vindo a tomar, bem como dos resultados concretos dos projetos e planos que vai criando neste âmbito.

Para além do Observatório Nacional da Violência Contra os Profissionais de Saúde no Local de Trabalho, criado pela DGS com a finalidade de promover a colaboração das instituições e várias associações do setor da saúde, o Governo anunciou em Maio de 2019 a criação de «um projeto inovador para combater a violência contra os profissionais de saúde, que será alargado a vários pontos do país», numa parceria entre o Ministério da Saúde e o Ministério das Finanças, através da Secretaria de Estado da Administração e do Emprego Público.

Em Março deste ano, em resposta a uma Pergunta do CDS-PP (enviada em Janeiro) relativa este “projeto inovador”, o Gabinete da Senhora Ministra da Saúde informou-nos que estava em curso o desenvolvimento de medidas no âmbito do Programa Nacional de Prevenção da Violência no Ciclo de Vida (PNPVCV) criado na DGS pelo Despacho nº 9494/2019, de 21 de Outubro, pretendendo-se alargá-lo “a muito curto prazo” a todo o país “com o envolvimento das Administrações Regionais de Saúde e unidades hospitalares”.

Informou-nos, ainda, das medidas que fazem parte do Plano de Ação para a Prevenção da Violência no Setor da Saúde (PAPVSS) – a funcionar “em paralelo com o Gabinete de Segurança” – e que esteve em consulta pública em Fevereiro.

Também em Março, em audição na Comissão Parlamentar de Saúde, a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) afirmou ter constatado que na maioria das unidades de saúde não existe avaliação de risco de agressão nem plano de prevenção de violência; recomendou mais formação aos profissionais de saúde, mais formação e informação aos utentes, a implementação de um sistema de segurança, com seguranças visíveis para dissuadir as agressões; defendeu a implementação do botão de alarme; e reiterou a necessidade de se corrigirem falhas técnicas como, por exemplo, a videovigilância.

Compreendendo que, com o surgimento da pandemia de COVID-19, muitos planos e projetos tiveram de ser adiados dada a urgência na resposta à pandemia, o CDS-PP entende, no entanto, que é muito importante saber em que ponto e que consequências práticas têm estão todos estes planos, concretamente o PNPVCV e o PAPVSS.

Conforme temos vindo reiteradamente a afirmar, os profissionais de saúde não podem ver a sua segurança e integridade (física e psicológica) ameaçadas, nem podem estar dependentes de “projetos”, “planos” e “grupos de trabalho” dos quais nunca se sabem ou retiram conclusões. Os profissionais de saúde merecem que o Governo tome medidas comprovadamente eficazes e esperam uma resposta firme que vá para além da manifestação de solidariedade.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro