Cecília Meireles questiona Governo sobre nova avaria na Ponte de Leça
Quarta, 23 Setembro 2020 14:08    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

ponte lecaNuma pergunta dirigida ao Ministro das Infraestruturas e Habitação, a deputada do CDS Cecília Meireles quer saber se face a esta nova anomalia, provocada pela ‘gripagem’ de peças, o governante mantém a resposta dada ao Grupo Parlamentar do CDS-PP a 6 de fevereiro de 2020, de que «a Ponte Móvel de Leça não se encontra degradada, seguindo um rigoroso plano de manutenção estabelecido pela APDL».

Cecília Meireles questiona depois se a APDL realiza todas as manutenções preventivas e periódicas de acordo com o plano de manutenção da Ponte Móvel de Leça, como é que a degradação das referidas peças não foi detetada em tempo útil e de forma a evitar o encerramento da estrutura, e com que periodicidade são realizadas inspeções à estrutura, quando foi realizada a última e com que resultados.

Depois, dada a repentina e inesperada ‘gripagem’ prematura de peças, Cecília Meireles quer saber se o ministro pode manter a garantia de todos os níveis de segurança e fiabilidade a todos os utilizadores da Ponte Móvel de Leça.

A deputada do CDS questiona depois em que ponto se encontra o procedimento para um tratamento anticorrosivo, que se prevê seja feito de 12 em 12 anos, e que o gabinete do ministro afirmou que estaria concluído no decorrer do presente ano e, finalmente, que medidas preventivas estão a ser tomadas de modo a minimizar eventuais cortes na circulação da Ponte Móvel de Leça.

Numa pergunta enviada ao Ministro das Infraestruturas e Habitação, em dezembro de 2019, a deputada abaixo-assinada questionou o Governo sobre o estado degradado em que, à data, se encontra a Ponte Móvel de Leça, sobre como é que a APDL - Administração dos Portos do Douro estava, à data, a realizar as manutenções preventivas e periódicas à travessia, e no sentido de saber se a APDL tem equipamento em stock para os equipamentos sujeitos a avarias frequentes, de modo a minimizar eventuais cortes na circulação da ponte que liga as duas margens do Porto de Leixões.

Em resposta, o gabinete do MIH afirmou, e citamos:

- «Antes de mais, importa esclarecer que a ponte móvel de Leça não se encontra degradada, seguindo um rigoroso plano de manutenção estabelecido pela APDL […].»;

- «Apesar do aspeto visual de alguns dos seus componentes, atribuído ao desgaste natural da estrutura provocado pelo tempo, a ponte móvel garante todos os níveis de segurança e fiabilidade a todos os seus utilizadores.

Encontra-se inclusivamente já em curso o procedimento para um tratamento anticorrosivo, que se prevê seja feito de 12 em 12 anos, o qual se perspetiva concluir no decorrer do presente ano.

Acresce que a APDL realiza todas as manutenções preventivas e periódicas de acordo com o referido plano de manutenção, sendo que a responsabilidade operacional da ponte móvel é superior a 98%. […]».

- «Importa ainda referir que a APDL tem equipamento em stock, […] estando acautelados quaisquer possíveis cortes na circulação da ponte […].»

Apesar de todas estas garantias da parte da tutela, a 8 de setembro a comunicação social deu conta de mais uma avaria na Ponte Móvel de Leça, e da sua interditação ao trânsito automóvel e de peões até à resolução da anomalia, segundo a APDL, associada à «‘gripagem’ prematura das rótulas principais de movimentação dos tabuleiros».

A APDL garante ainda que está em curso «através de uma contratação com o INEGI – Instituto de Ciência e Investigação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial, a monitorização e modelação tridimensional dos órgãos mecânicos da ponte móvel para tentar identificar, por outra via, para além dos estudos já efetuados, a origem e a causa deste desgaste prematuro de peças cuja vida útil deveria estar muito longe do fim e, deste modo, serem insuscetíveis de avarias», e que «depois de munida de toda a informação decorrente dos estudos atrás aludidos, desencadeará todas as diligências, no limite judiciais, necessárias a apurar responsabilidades sobre o eventual defeito das peças que têm vindo a causar as avarias».

A Ponte Móvel de Leça, que liga Matosinhos a Leça da Palmeira, apresenta, há já algum tempo, sinais de degradação na sua construção.

Projetada pelo arquiteto João Motta Guedes e inaugurada em julho de 2007, a travessia que une as duas margens do Porto de Leixões tem visíveis na estrutura buracos e grafitos.

Desde 2013 que a ponte, da responsabilidade da APDL tem tido diversos problemas, registando várias avarias, a última das quais obrigou à interdição ao trânsito entre 13 de junho e 5 de julho de 2019.

Atualmente, o trânsito automóvel está a ser desviado temporariamente para o viaduto da A28 e a passagem pedonal está a ser assegurada por autocarros a cargo da APDL, causando grandes transtornos à população.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro