João Gonçalves Pereira quer saber como estão as medidas de apoio ao sector dos eventos
Sábado, 26 Setembro 2020 18:19    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

joao goncalves pereiraO deputado do CDS João Gonçalves Pereira questionou o Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital no sentido de saber quando será disponibilizada a linha de crédito, específica para o sector dos eventos, no valor de 20 milhões de euros, anunciada em julho passado pelo Governo

Além da Linha de Crédito anunciada, João Gonçalves Pereira questiona que outras medidas específicas de incentivo à atividade económica deste sector, serão implementadas, e ainda se estão previstas medidas específicas de apoio para as empresas fornecedoras de serviços técnicos para eventos.

A maioria das empresas do sector de eventos, estão paradas desde março deste ano e segundo informação pública da Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos (APSTE), muitas das empresas relacionadas com toda a cadeia de valor do sector, conseguiram não ter de recorrer a despedimentos dos colaboradores, apesar do dramático corte na faturação face ao período homólogo, em mais de 80% do volume de faturação destas empresas.

Em 10 de julho deste ano, foi anunciado pela Senhora Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, que o Governo iria lançar regras para os eventos e lançar uma linha de apoio específica, assegurando que “estamos já em fase final de regulamentação no sentido de permitirmos que parte da dívida possa ser convertida a fundo perdido” e que estaria a preparar uma “linha específica para empresas de organização de eventos, que ajude a que a receita que saíra fragilizada por força de nem todos estes lugares poderem ser vendidos quando estamos a organizar eventos, para que essa receita perdida possa ser compensada por apoios públicos, de modo a viabilizar os modelos de negócios das empresas”.

Porém, dois meses passaram e os empresários do sector continuam sem apoios que os permitam ter liquidez para pagamento a fornecedores nesta cadeia de empresários que compõe todo o setor, bem como para assegurar o pagamento de salários e assim a manutenção dos postos de trabalho.

Também segundo declarações da Senhora Secretária de Estado, a criação da referida nova linha de crédito, gerida pelo Turismo de Portugal, “não é uma linha que tem como objetivo estabelecer protocolos com a Banca. Não se trata de uma linha idêntica às outras”, sendo o objetivo “compensar as empresas que organizam eventos pela falta de receita associada à bilheteira”.

As empresas que a APSTE representa, referente às empresas que prestam serviços técnicos e especializados às entidades que promovem eventos, representam diretamente pelo menos 1500 trabalhadores e mais de 3000 indiretos, pelo que não tendo ainda qualquer apoio previsto está em causa a própria sobrevivência de muitas destas empresas fornecedoras de serviços técnicos para eventos e assim também a capacidade de futuramente haver entidades especializadas em Portugal que possam prestar este tipo de serviços, qualificados.

Resolvendo esta situação e criando apoios a este sector, toda a cadeia de valor da atividade relacionada com os eventos, será beneficiada evitando também que o “know-how” técnico e especializado, se perca.

O Grupo Parlamentar do CDS-PP à Assembleia da República toma como pertinente questionar os senhores membros do Governo acerca dos apoios específicos e diretos a este sector de atividade.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro