CDS quer explicações para atraso no financiamento à Academia de Música de Cantanhede
Quarta, 30 Setembro 2020 14:45    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

ana rita bessa ishA deputada do CDS Ana Rita Bessa questionou o Ministro da Educação sobre o atraso no financiamento à Academia de Música de Cantanhede (AMC).

Ana Rita Bessa quer saber, desde logo, se o ministro tem conhecimento do impasse vivido pelos alunos do ensino da música da Academia de Música de Cantanhede provocado pela falta de financiamento prometida pelo Governo e qual o motivo para a não concretização do apoio previsto.

Depois, questiona se está o Ministério da Educação na disposição de assegurar o financiamento dos alunos matriculados no ensino da música na AMC, nomeadamente, 20 alunos da Iniciação, 11 alunos do Regime Articulado, 22 alunos do 5.º ano de escolaridade e 11 alunos do 7.º ano de escolaridade do Regime Integrado, de modo a que estes possam prosseguir o caminho educativo que eles e respetivas famílias escolheram, com o início imediato das aulas.

Caso não seja possível a abertura das turmas do ensino da música na AMC, Ana Rita Bessa quer saber que solução tem o ministro para estes alunos, se pode o Ministério da Educação garantir vaga em ensino integrado de música noutra escola.

Finalmente, a deputada do CDS questiona em quantos mais casos se verificam atrasos nos contratos de patrocínio e, destes, em quantos há limitações à realização das atividades letivas.

Chegou ao Grupo Parlamentar do CDS uma exposição de um grupo de pais e encarregados de educação de crianças do 5.º e 7.º anos de escolaridade, matriculadas na Academia de Música de Cantanhede (AMC), manifestando a sua perplexidade e preocupação com a falta de financiamento do ensino da música naquela escola, ditado pelo concurso para o período de 2020 a 2026 - Contrato de Patrocínio, que inviabilizou, até ao momento, a criação de turmas.

O atraso e a indecisão deste regresso às aulas, que devia, por força das atuais circunstâncias, ser de tranquilidade e confiança, está a causar grande ansiedade nos alunos e, consequentemente, preocupação nos encarregados de educação.

No documento enviado, afirma-se que a grande maioria das crianças matriculadas na AMC, quer no 5.º quer no 7.º ano de escolaridade, já têm um percurso significativo no ensino da música. Muitas delas frequentaram o nível de Iniciação da Música na AMC desde os 6 anos, tendo por isso (elas e as suas famílias) feito um investimento entre 4 a 6 anos de ensino da música.

Acresce que estes jovens realizaram provas de admissão ao ensino especializado da música na AMC, tendo obtido sucesso nas mesmas. Depois de admitidos, efetuaram a matrícula no portal das matrículas online, de acordo com os prazos legais definidos, durante o mês de julho, tendo ficado tranquilos com o processo e entusiasmados por poderem prosseguir os seus estudos de acordo com os seus anseios – muitos já tinham comprado o instrumento, livros e outro material especializado, na expectativa de poder começar a aprendizagem efetiva da música, de acordo com o calendário escolar previsto para o ano letivo 2020-2021.

No entanto, a 7 de setembro, a uma semana de se iniciar o ano letivo, os encarregados de educação receberam uma notificação da direção da AMC, para comparecer numa reunião a ser realizada no dia 8 de setembro, onde lhes foi explicado o problema da falta de financiamento e informado que se a situação do subfinanciamento não fosse revertida a AMC não poderia abrir as turmas em causa.

Em julho de 2020 o Ministério da Educação fez saber que existiriam mais alunos financiados e a frequentar o ensino artístico, notícia que, naturalmente, gerou enorme expectativa em todos e, em especial, nos alunos.

O GP CDS sabe que esta situação não é única, havendo casos similares noutras escolas de ensino artístico.

Acresce que esta falta de financiamento à AMC coloca em causa o futuro do ensino especializado da música na região, um território de baixa densidade, numa zona tipicamente rural, que não tem outra alternativa educativa no ensino especializado da música, e com uma rede de transportes públicos deficitária, que não permite uma condigna acessibilidade a outras escolas com este tipo de oferta educativa, tipicamente localizada noutros centros urbanos – como são os casos (mais próximos) de Coimbra ou Figueira da Foz, a mais de 30 km do centro de Cantanhede e mais de 50 km das zonas limítrofes do concelho, o que implica deslocações superiores a uma hora.

Os encarregados de educação salientam, apesar de toda esta situação, que a AMC é uma escola dotada de todas as condições para o ensino especializado da música, com muitos anos de experiência, um corpo docente profissionalizado, dotada de espaços adequados ao ensino especializado da música, e cuja dimensão do espaço escolar dá garantias de segurança sanitária neste período conturbado.

Por considerar que esta é uma situação que carece de mais explicações, o GP CDS entende ser da maior pertinência questionar o Senhor Ministro da Educação.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro