CDS questiona Governo sobre associativismo juvenil em tempos de COVID-19
Quinta, 01 Outubro 2020 14:13    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

associacoes juvenisOs deputados do CDS Ana Rita Bessa e João Pinho de Almeida questionaram o Ministro da Educação no sentido de saber quantas associações pediram a substituição extraordinária de atividades constantes dos seus planos, se o IPDJ - Instituto Português do Desporto e Juventude tem mostrado flexibilidade para com associações quando estas procuram reorganizar o seu orçamento e as suas atividades e o que acontecerá ao orçamento previsto no quadro do programa de apoio juvenil (PAJ) e do programa de apoio estudantil (PAE), caso não venha a ser concretizado, nomeadamente se será realocado e para que fins.

Ana Rita Bessa e João Pinho de Almeida querem também saber qual será, no próximo ano, a referência de concretização de atividades das associações, para efeitos de PAE e PAJ, tendo em conta que este ano ficaram, por razões alheias, aquém do proposto e, finalmente, por que razão não criou o Governo um apoio extraordinário, aberto a candidaturas de organizações de juventude, estudantis e equiparadas, para fazer face a custos de estrutura como pagamento de salários, despesas de comunicação, água, luz, renda e outros, que permitissem às organizações sobreviver durante este período de pandemia.

O movimento associativo juvenil tem um papel fundamental como modelo e oportunidade de participação social, cultural, desportiva e cívica e é, a par do sistema formal de Educação, um veículo importante para a aquisição de competências pessoais e sociais relevantes para os dias de hoje.

Em tempo oportuno, o CDS-PP alertou para a importância de antecipar cenários que pudessem colocar em causa a sustentabilidade e a continuidade do movimento associativo, que vendo suspensa grande parte da sua atividade, mobilizou-se para, em conjunto com outras organizações e instituições governamentais, dar respostas e prestar apoio aos mais desfavorecidos, aos mais velhos e às populações escolares.

A resposta dada pelo Governo, através da Portaria n.º 193/2020, ficou aquém das necessidades das organizações juvenis e persistem dificuldades no cumprimento das condições exigidas face às circunstâncias vividas devido à pandemia.

O movimento associativo está condicionado pela natureza das atividades contratualizadas, financiadas através do programa de apoio juvenil (PAJ) e do programa de apoio estudantil (PAE). As associações não conseguiram concretizar a sua atividade e, por isso, não conseguiram garantir o seu financiamento, tendo sido igualmente difícil a obtenção de apoios e patrocínios de entidades públicas, locais ou privadas.

No caso do associativismo estudantil, com o encerramento de escolas, universidades e politécnicos, sem o seu público-alvo na esfera de atuação, tornou-se impossível às associações reconfigurar programas e atividades, afastando-as por completo do cenário traçado pelo Governo, e colocando em causa postos de trabalho e o cumprimento da sua missão.

O Governo persiste em traçar um panorama para o setor do associativismo que não tem adesão à realidade das associações e que, por essa razão, torna impossível concretizar as medidas de apoio de forma eficaz. Neste momento extraordinário exigia-se às entidades públicas, em particular ao IPDJ, que disponibilizassem ferramentas de apoio e não fossem agentes de geração de complexidade no sistema.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro