CDS-PP quer saber quantas empresas já foram apoiadas pelo Banco Português de Fomento
Terça, 05 Janeiro 2021 10:28    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

cecilia meireles observadorNuma pergunta dirigida, através do parlamento, ao ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, os deputados centristas João Gonçalves Pereira e Cecília Meireles colocam nove questões a Pedro Siza Vieira.

O CDS quer conhecer o plano de atividades desta entidade, designadamente se "foi realizada desde a fusão, ou está prevista, restruturação da administração", bem como por que entidade será conduzido o processo de seleção e recrutamento de quadros.

Os centristas perguntam "em que consiste o denominado Banco Verde", e também se "o Governo envolveu o novo presidente do CES e os parceiros sociais que este representa nas conversações sobre a ação futura do Banco de Fomento".

Apontando que o Banco de Portugal autorizou a "fusão por incorporação da PME Investimentos -- Sociedade de Investimento, S.A. ("PMEI") e da IFD -- Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A. ("IFD"), na SPGM -- Sociedade de Investimento, S.A. ("SPGM"), mediante a transferência global do património da PMEI e da IFD para a SPGM", o CDS questiona, "tendo em consideração a amplitude de operações financeiras que o Banco de Fomento Português, poderá realizar, qual a licença a que obriga esta instituição".

Os deputados centristas querem saber igualmente se o Banco de Portugal se pronunciou ou emitiu parecer sobre esta fusão das entidades que compõem o Banco de Fomento e se "o Banco de Portugal ou o Governo mostraram interesse ou vontade na criação de um departamento específico a criar no Banco de Portugal para acompanhar o Banco de Fomento".

"Se sim, qual a sua arquitetura formal? Se não, a que departamento foi entregue essa responsabilidade?", prosseguem.

O CDS pergunta ainda por que ministério será escrutinada a integração da AICEP no Banco Português de Fomento, bem como "a seleção e observação desses financiamentos".

No documento, o partido considera "fundamental" manter "o máximo escrutínio ao desenvolvimento, lançamento e futura atividade do Banco Português de Fomento", dado esta entidade poder ser "o instrumento de apoio para desenvolver a economia com apoio ao financiamento, apoio ao empreendedorismo, desenvolvendo um conjunto alargado de operações".

"O CDS entende que esta instituição poderá assumir um papel preponderante na resolução, o mais breve e eficazmente possível, da crise económica e social suscitada pela pandemia. De modo a não repetir erros passados e a não aprofundar a desconfiança dos cidadãos no que à banca e à gestão de dinheiros públicos diz respeito, o reforço da transparência em projetos como o Banco de Fomento corresponde a um propósito lógico e politicamente responsável", salienta.

Os deputados democratas-cristãos defendem ainda que o financiamento comunitário a ser injetado, de "extraordinária dimensão", precisa "uma eficácia e transparência proporcionais", e sublinham que "a digitalização, desburocratização e prontidão do seu funcionamento são de redobrada relevância, assim como o envolvimento da AICEP", devido à "possível captação de financiamento e investimentos extraeuropeus, exigindo igualmente uma particular atenção por parte de órgãos de soberania como o parlamento".

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro