TAP. CDS quer que Governo envie cópias de contratos celebrados desde 2015
Quarta, 23 Dezembro 2020 00:00    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

TAPO CDS-PP quer que o Governo envie para a Assembleia da República uma cópia de todos os contratos celebrados entre a TAP e o Estado português, desde 2015, assim como “do acordo e anexos celebrados” com David Neeleman.

“Em 2020, em plena crise pandémica e consequente crise no setor da aviação, a TAP voltou ao controlo do Estado português, passando a deter 72,5% do seu capital e assumindo junto da Comissão Europeia (CE) a responsabilidade de viabilização da empresa a longo prazo”, explicita um requerimento endereçado esta terça-feira, através do parlamento, ao ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

O CDS-PP acrescenta que, no decurso deste processo, o Governo “alegadamente negociou a saída e indemnização” do antigo acionista David Neeleman por 55 milhões de euros.

Em 15 de dezembro, Pedro Nuno Santos referiu, perante os deputados da Comissão de Economia, Inovação Obras Públicas e Habitação, que Neeleman “não tinha um euro para meter na TAP”.

O executivo, liderado pelo socialista António Costa, preferiu pagar 55 milhões de euros ao antigo acionista para sair da companhia aérea e abdicar das prestações acessórias a que tinha direito, tornando-se o Governo, deste modo, “senhor do plano de restruturação”, em vez de deixar essa responsabilidade a um privado que “mais cedo ou mais tarde” sairia da estrutura acionista.

Tendo em conta a decisão do Governo, os centristas requereram o “envio da cópia de todos os acordos celebrados entre a TAP e o Estado português”, nos últimos cinco anos, nomeadamente o contrato “e respetivos anexos, celebrados em 2015, para privatização” da empresa.

O partido também quer que o Governo envie uma cópia “do acordo e anexos celebrados, com David Neeleman — ou com a empresa que detém participação ou controlo — em que é contemplada a saída da participação, que alegadamente implicou o pagamento de 55 milhões de euros” ao antigo acionista.

O CDS-PP requereu ao Governo o envio de uma cópia do contrato firmado em 2017 em que o Estado aumentou a “participação no capital social da TAP de 34% para 50%”, assim como o celebrado em 2020 e do qual resultou o aumento da participação estatal para 72,5%.

Os centristas solicitam ainda o envio de “pareceres técnicos e estudos que tenham sido elaborados, requisitados ou adjudicados pelo Governo no âmbito da avaliação do setor da aviação, bem como sobre a viabilidade e restruturação” da TAP, em particular, os estudos desenvolvidos pela McKinsey & Company e pela Boston Consulting Group.

O CDS já tinha requerido na última semana o envio da proposta de plano de restruturação da TAP para a Assembleia da República, por considerar que era “fundamental e urgente” conhecer o documento.

O Governo entregou no início de dezembro o plano de reestruturação da TAP à CE, que, segundo já tinha detalhado o Pedro Nuno Santos, prevê o despedimento de 500 pilotos, 750 tripulantes de cabine, 450 trabalhadores da manutenção e engenharia e 250 das restantes áreas.

O plano prevê, ainda, a redução de 25% da massa salarial do grupo e do número de aviões que compõem a frota da companhia, de 108 para 88 aviões.

Como a Lusa noticiou em novembro, a TAP vai propor aos trabalhadores um pacote de medidas voluntárias, que incluirá rescisões por mútuo acordo, licenças não remuneradas de longo prazo e trabalho a tempo parcial.

Através de uma comunicação enviada então aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, a administração referia já que “quanto maior for a adesão, menor será a necessidade de outras medidas a decidir futuramente”.

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro