CDS quer ouvir ministro da Educação sobre plano após “férias compulsivas”
Segunda, 25 Janeiro 2021 00:00    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

ana rita bessa 2020O CDS considera que a decisão de encerrar as escolas por 15 dias sem permitir o ensino à distância não contribui para minimizar as desigualdades entre os alunos. “Se a situação se prolongar por mais de 15 dias, como muitos especialistas aventam, qual será o plano?”, questiona a deputada Ana Rita Bessa que quer ouvir o ministro da Educação, com urgência no Parlamento, sobre os próximos passos a dar pelo Governo.

No requerimento da audição, que já foi enviado para a comissão parlamentar de Educação, o CDS considera que “a proibição de as escolas, estatais ou privadas poderem continuar em ensino a distância não serve os alunos, não ajuda os pais – entretanto em teletrabalho –, minoriza a escola pública e aprisiona a escola privada”.

Desde que a decisão do primeiro-ministro de encerrar as escolas por 15 dias, anunciada na passada quinta-feira por causa do agravamento da pandemia de covid-19, que o CDS se tem mostrado contra o que chama de “férias compulsivas” ao não ser permitido o ensino à distância mesmo que fosse para consolidar matéria ou fazer revisões. “Não é indiferente os alunos estarem confinados em casa a ver televisão ou terem acesso a aulas ou a algum ensino ainda que de forma aliviada e apesar de ter de haver sempre uma compensação com aulas presenciais noutros momentos do ano”, afirmou ao PÚBLICO a deputada. “Isto é que era uma política activa de correcção de desigualdades”, reforçou.

Lembrando que “todas as escolas do sistema de ensino, público e privado, desenharam planos para as hipóteses de aulas presenciais, híbridas e à distância”, Ana Rita Bessa questiona o que é que aconteceu a esses planos. “Tenho recebido muitas mensagens de professores de escolas públicas que dizem ‘nós trabalhámos, nós preparámos e não queremos abandonar os nossos alunos’”, referiu.

Referindo que “em nenhum momento, esteve em discussão a suspensão do ensino”, a deputada constata que “os danos irreparáveis nas aprendizagens”, que eram alegados há algumas semanas pelo Governo para não encerrar as escolas, “afinal, convivem com não ter qualquer espécie de aprendizagem.”

A centrista mostra-se preocupada com as decisões que o Governo tomará daqui a 15 dias, tendo em conta que “vários especialistas” avançam com a probabilidade de a situação grave da pandemia “se prolongar até Fevereiro ou até Março”. “Queremos saber o que é que o Governo está a fazer para se preparar para estes cenários”, referiu.

O requerimento para ouvir o ministro da Educação deve ser discutido e votado esta terça-feira.  

 

Fonte: Público

Actualizado em ( Quarta, 03 Fevereiro 2021 10:45 )
 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro