CDS questiona Governo sobre "administração inadequada de vacinas"
Quinta, 28 Janeiro 2021 00:00    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

vacinaPerante a sucessão de casos de incumprimento das regras definidas pela task force para os grupos prioritários de vacinação, o grupo parlamentar do CDS remeteu quatro perguntas à ministra da Saúde, Marta Temido.

Na missiva, os centristas questionam "quantas notificações e/ou queixas sobre vacinação ‘inadequada’ já chegaram ao Ministério da Saúde", se já "foi tomada alguma medida concreta", que "medidas foram já tomadas para que estes casos parem por aqui e não se repliquem", e "que tipo de acompanhamento está o Governo a fazer do cumprimento das orientações gerais para administração da vacina contra a covid-19".

Ao Negócios, a deputada Ana Rita Bessa antecipa que "o Governo não responderá de forma clara e em tempo útil" e recorda que Temido, quando foi confrontada com este tipo de situações, "limitou-se a remeter sempre para o coordenador da task force (Francisco Ramos) e para a necessidade de censura social" dos casos conhecidos.

Esta quinta-feira, o Negócios noticiou o caso da Misericórdia de Trancoso, cujo provedor, restante administração, dois padres ligados à instituição e a irmã do delegado de saúde local foram indevidamente vacinados, tendo a explicação dada consistido na necessidade de não desperdiçar "vacinas sobrantes".

No entender da parlamentar do CDS, o "argumento apresentado ultimamente é que há doses sobrantes, mas, em bom rigor, o que esta estipulado no plano de vacinação é que existe uma priorização de critérios segundo o qual as doses sobrantes devem ser segundo esses critérios".

Além das questões colocadas ao Governo, Ana Rita Bessa disse esperar que, na próxima semana, Francisco Ramos e a comissão que "também definiu os critérios para a vacinação" possam "prestar contas" ao Parlamento em sede da comissão eventual de acompanhamento da covid-19.

Mais do que saber como poderão ser penalizadas as pessoas que prevaricaram, Ana Rita Bessa quer que fiquem "claros os critérios e qual o canal de contacto para se saber o que fazer com as vacinas sobrantes".

É que tal como está, o processo de vacinação em curso "premeia quem pevarica" na medida em que, tratando-se de uma vacina administrada em duas tomas, a segunda dose terá de ser aplicada mesmo a quem prevaricou, caso contrário "é puro desperdício".

Ao final desta manhã, o coordenador da task force para a vacinação, Francisco Ramos, durante a atualização do plano para a administração de vacinas contra a covid, disse só ter a "lamentar" as situações verificadas de "desvio dos critérios" estabelecidos, adiantando que a Inspeção Geral de Saúde vai controlar a correta aplicação das regras definidas.

 

Fonte: Negócios

 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Gonçalves Pereira

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro