Moçambique: CDS quer ouvir ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa na AR
Terça, 30 Março 2021 20:00    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

telmo 2020 09O CDS-PP requereu hoje a audição no parlamento dos ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, a propósito dos ataques que ocorreram na província de Cabo Delgado, em Moçambique.

De acordo com dois requerimentos endereçados aos presidentes das comissões parlamentares de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas e de Defesa Nacional, os centristas pedem a audição de Santos Silva e de Gomes Cravinho, respetivamente.

O CDS recordou que os sucessivos ataques que ocorreram na província moçambicana de Cabo Delgado, "por parte do grupo o Al-Shabab" - que tem filiação ao 'braço' em África do autodenominado Estado Islâmico do Iraque e da Síria - já causaram "milhares de mortes e mais de 700.000 deslocados".

"Nos últimos dias a situação agravou-se de forma substancial, evoluindo para um verdadeiro clima de guerra civil, com todas as consequências daí decorrentes", prosseguem os requerimentos, que deram entrada hoje na Assembleia da República, lembrando, que "recentemente o Governo anunciou o envio de 60 militares portugueses para formar congéneres moçambicanos".

O CDS-PP considerou que o parlamento "não se pode alhear deste grave problema humanitário".

Por isso, requereu a presença dos titulares da pasta dos Negócios Estrangeiros e da Defesa Nacional na Assembleia da República.

Em 24 de março, dezenas de civis foram mortos, em Palma, de acordo com o Ministério da Defesa moçambicano.

O recinto onde estão a ser erguidas as infraestruturas do projeto de gás dista cerca de 25 quilómetros da vila de Palma e não foi atingido pelos ataques e confrontos que se seguiram entre os grupos armados e as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas.

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de duas mil mortes.

O autoproclamado Estado Islâmico reivindicou na segunda-feira o controlo da vila de Palma, junto à fronteira com a Tanzânia.

Vários países têm oferecido apoio militar no terreno a Maputo para combater estes insurgentes, cujas ações já foram reivindicadas pelo autoproclamado Estado Islâmico, mas, até ao momento, ainda não existiu abertura para isso, embora haja relatos e testemunhos que apontam para a existência de empresas de segurança e de mercenários na zona.


Fonte: Lusa


Leia os Requerimentos na íntegra aqui e aqui






 

Deputados CDS

News image

Telmo Correia

Círculo Eleitoral Braga Presidente do Grupo Parlamentar  

News image

Ana Rita Bessa

Círculo Eleitoral Lisboa

News image

Cecília Meireles

Círculo Eleitoral Porto  

News image

João Pinho de Almeida

Círculo Eleitoral Aveiro

News image

Pedro Morais Soares

Círculo Eleitoral Lisboa