CDS questiona Governo sobre "objetivo" do inquérito a alunos de escola do Porto
Quarta, 10 Outubro 2018 17:50    Versão para impressão

logo GP 2 copy

O CDS questionou hoje o Ministério da Educação (ME) sobre o "objetivo" do inquérito em que alunos do 5.º ano de uma escola do Porto são questionados sobre a sua orientação sexual.

N a pergunta dirigida ao ME, a que a Lusa teve acesso e que foi entregue na Assembleia da República, o grupo parlamentar do CDS questiona o ministro da tutela sobre a "ficha sociodemográfica que está a ser distribuída na escola Francisco Torrinha" a questionar os estudantes sobre se se sentem "atraídos por homens, mulher ou ambos".

No mesmo inquérito, pergunta-se aos alunos se "são do sexo masculino, feminino ou outro" e o CDS quer saber se é verdade que o texto está a ser "distribuído para preenchimento" naquela escola e, "se sim, de quem foi a iniciativa e qual o seu objetivo".

O CDS questiona ainda o ME sobre em que "anos letivos" está o documento a ser entregue e se "há fichas idênticas a serem distribuídas a alunos de outros estabelecimentos de ensino".

"Vários jornais publicaram hoje nas suas edições online notícias sobre um inquérito que terá sido feito a alunos da Escola Básica Francisco Torrinha, no Porto, onde é questionada a sua orientação sexual", acrescenta o CDS, lembrando que "os alunos são ainda questionados se namoram ou se já namoraram anteriormente".

A Associação de Pais da EB Francisco Torrinha considerou hoje "desadequado" o inquérito em que "uma turma do 5.º ano" é questionada sobre a sua opção sexual, indicando que será a tutela a "esclarecer a situação".

"O inquérito é, de facto, desadequado para uma turma do 5.º ano, mas os pais estão calmos e a maior parte dos alunos não percebeu bem a questão que lhe foi colocada. O Ministério da Educação [ME] está a par e vai agora tentar esclarecer a situação", disse à Lusa uma representante da associação de pais.

O ME revelou hoje à Lusa a intenção de pedir àquela escola básica esclarecimentos sobre o inquérito em que alunos do 5.º ano, de 09 e dez anos, são questionados sobre se se sentem "atraídos por homens, mulher ou ambos".

A Associação de Pais da Escola Francisco Torrinha explicou que o inquérito, feito "a apenas uma turma", se enquadra "no tema da Educação para a Igualdade de Género", previsto no programa nacional da disciplina de Cidadania.

"Consideramos que o inquérito é desadequado, mas também que o caso não precisava de tomar as proporções que tomou", frisou a representante dos pais.

A reação surgiu depois de uma "ficha sociodemográfica" distribuída no âmbito da disciplina "Cidadania" a uma turma de estudantes da EB Francisco Torrinha ter sido posta a circular nas redes sociais.

A informação foi confirmada pela Lusa junto de encarregados de educação, tendo um deles explicado que, numa reunião de pais dos alunos do 5.º ano, os responsáveis "foram avisados da existência" da disciplina "Cidadania", no âmbito da qual "se abordariam temas como as relações interpessoais e violência no namoro".

O mesmo encarregado de educação acrescentou ter recebido um papel para autorizar a participação dos seus filhos nesta disciplina, mas não esperava que fossem colocadas questões como estas.

A Lusa tentou, sem sucesso, obter uma reação da coordenação da Escola Francisco Torrinha e da sede do agrupamento, a Escola Garcia de Orta.