Tancos: Assunção Cristas em "concordância absoluta" com Marcelo contra "jogos de poder"
Segunda, 05 Novembro 2018 12:59    Versão para impressão

assuncao cristas press ant arroio 1A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, afirmou hoje a sua “concordância absoluta” com o Presidente da República a repudiar tentativas de partidarização das Forças Armadas e “jogos de poder” na sequência do caso de Tancos.

Questionada sobre o discurso de Marcelo Rebelo de Sousa, no domingo, nas cerimónias dos 100 anos do armistício da I Guerra Mundial, Assunção Cristas manifestou “concordância absoluta” com as palavras do Presidente da República.

E justificou a comissão parlamentar de inquérito, ao furto do material de guerra dos paióis de Tancos, em 2017.

“Para preservar as Forças Armadas, para conseguirmos apurar o que se passou [em Tancos] e devolver a credibilidade necessária às Forças Armadas, como instituição muito relevante do país, é que o CDS avançou com uma comissão parlamentar de inquérito”, disse, à margem de uma visita à escola artística António Arroio, em Lisboa.

O objetivo do inquérito é apurar “toda a verdade, preservar o que tem de ser preservado, a credibilidade das Forças Armadas”, insistiu.

Hoje, o primeiro-ministro afirmou-se em "total convergência" com o Presidente da República no repúdio sobre tentativas de partidarização e de envolvimento das Forças Armadas "em jogos de poder" na sequência do caso de Tancos.

No domingo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, declarou que não será tolerado o uso da instituição militar para "jogos de poder", num discurso na cerimónia que assinalou os cem anos do armistício da I Guerra Mundial, em 11 de novembro de 1918.

O furto de material militar dos paióis de Tancos foi revelado em 29 de junho de 2017 e a recuperação da maior parte do material foi divulgada pela Polícia Judiciária Militar (PJM), em comunicado, no dia 18 de outubro de 2017, na Chamusca, a cerca de 20 quilómetros de Tancos.

A investigação do Ministério Público sobre o aparecimento do material furtado, designada Operação Húbris, levou à detenção para interrogatório de militares da PJM e da GNR.

O caso levou já à demissão do anterior ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, em 12 de outubro, invocando a necessidade de evitar que as Forças Armadas fossem prejudicadas pelo “ataque político” e as acusações de que afirmou estar a ser alvo.

O chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, pediu também a resignação, apenas dois dias depois da tomada de posse do novo ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho.

Em 25 de setembro, a Polícia Judiciária deteve o diretor e outros três responsáveis da PJM, um civil e três elementos do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Loulé e foi nesse dia que o CDS anunciou que iria propor uma comissão de inquérito parlamentar.

Segundo o Ministério Público, em causa estão "factos suscetíveis de integrarem crimes de associação criminosa, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, favorecimento pessoal praticado por funcionário, abuso de poder, recetação, detenção de arma proibida e tráfico de armas".

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.