Assunção Cristas foi ao “supermercado” de droga em Lisboa e viu “medo e insegurança”
Quarta, 21 Novembro 2018 19:57    Versão para impressão

assuncao cristas lx drogaFrancisco Salgado de Kessler trabalha ao lado da “rua mais bonita do mundo” — a rua do Elevador da Bica, em pleno coração de Lisboa. Todos os dias vai para o trabalho, na garrafeira Galeria – Wine Shop, no Largo do Calhariz, e todos os dias diz que tem a sensação de estar a “entrar numa favela”. O tráfico de droga é uma constante, queixa-se, sublinhando que “toda a gente sabe que é assim e toda a gente assobia para o ar”. O passado dia 16 de outubro, contudo, não foi um dia normal. Segundo conta, eram 16h quando foi à porta do estabelecimento pedir a um grupo de pessoas que ali estava a traficar droga que não o fizesse à sua porta. Resultado? Foi agredido à cabeçada, partiu o nariz e dentes, fez queixa na polícia e, até ver, nada.

O CDS foi alertado para o caso através de um e-mail de Francisco. Na sequência desse email, e uma vez que “o comando distrital da PSP da Grande Lisboa perdeu 1.100 efetivos desde 2011”, o grupo parlamentar do CDS, com Assunção Cristas à cabeça, foi esta quarta-feira visitar uma das ruas do coração de Lisboa considerada mais insegura e mais frequentada por traficantes de droga. Na nota de imprensa lia-se que a presidente do CDS iria “percorrer algumas das ruas que são consideradas atualmente um verdadeiro ‘supermercado’ de compra e venda de droga na região de Lisboa”. Tudo porque, continuava a ler-se, “moradores vivem em pânico e com medo, e comerciantes são agredidos por traficantes durante o dia”.

À frente das câmaras, Cristas não percorreu mais de 400 metros e entrou apenas em dois estabelecimentos comerciais, ambos na rua do Largo do Calhariz, junto ao Elevador da Bica e bem às portas do Bairro Alto. Mas nos dois estabelecimentos em que entrou, a mensagem que ouviu foi a mesma: a insegurança é muita, a polícia é pouca ou inexistente.“Estamos aqui no centro de Lisboa, ao lado de dois ministérios (da Economia e do Ambiente), ao lado de uma repartição da Caixa Geral de Depósitos, com a Assembleia da República já ali em baixo, e ao lado da rua mais bonita do mundo, e no entanto parece que estamos à entrada de favelas”, queixou-se o dono da garrafeira que trabalha ali “há quatro anos, e todos os dias é o mesmo”.

Também Ana Martins, dona da Tabacaria Martins (uma das conhecidas “lojas com história” que esteve em risco de fechar), que vive e mora no Bairro Alto, se queixa de que tem de pedir “licença para entrar em casa” e não passa um dia sem que oiça pessoas, portuguesas ou estrangeiras, a serem assediadas para comprarem droga. “Telefono à polícia duas, três vezes por semana e quase gozam connosco, dizem que não têm efetivos”, afirma, sublinhando que as pessoas estão a sair do Bairro “mais por causa da insegurança do que por causa do turismo”. “Ainda agora fui almoçar ali à ‘Camponesa’ (junto ao miradouro de Santa Catarina), e estava lá um grupo de pessoas — vou dizer pretos, mas não tenho nada contra — que eram de gangues rivais”, queixou-se Ana Martins à comitiva do CDS que esta tarde entrou pela tabacaria a dentro. Francisco, que foi agredido há um mês, viria a esclarecer, “para que fique claro”, “que não é uma questão racial”: os traficantes tanto podem ser “portugueses, brasileiros, de etnia cigana”, a questão é que “veem aqui uma janela de crime” e aproveitam.

A ouvir estes dois comerciantes estavam, além de Assunção Cristas, também os deputados Telmo Correia e João Gonçalves Pereira, que é também vereador na câmara de Lisboa. Tal como Cristas, de resto. Questionada pelo Observador sobre se estava a fazer aquela visita ao centro de Lisboa na qualidade de vereadora, ou deputada, ou presidente do CDS, Cristas respondeu que nunca despe nenhuma das peles. Certo é que, embora oscilando entre uma e outra, o objetivo era lembrar como “o CDS tem trazido este tema da segurança para cima da mesa, não só ao nível de Lisboa, mas também ao nível nacional”.

“O que observámos aqui hoje, e já tínhamos tido conhecimento através de relatos, é que há um clima de medo e insegurança por haver um mercado a céu aberto de tráfico de droga. As pessoas são assediadas constantemente, os moradores e os comerciantes sentem-se inseguros. Sentem que é impossível viver nesta zona”, disse aos jornalistas, alertando para o estado de “degradação da cidade”. Além da redução de mais de mil efetivos na PSP da Grande Lisboa, Telmo Correia e Assunção Cristas lembraram que a “esquadra do Bairro Alto passou de 100 polícias para 30” e há apenas “um carro de patrulha da PSPpara toda a zona da baixa de Lisboa”. E lembraram que o tema fez parte do leque de propostas “alternativas” ao Orçamento do Estado que o CDS entregou na semana passada na Assembleia da República: aumentar os recursos humanos e materiais da PSP e da GNR, bem como valorizar o trabalho dos agentes que se sentem “desmotivados”.

Literalmente entre os pingos da chuva, Cristas e companhia fizeram o percurso que separa o Largo do Calhariz do miradouro de Santa Catarina, e deram o veredito: há “medo e insegurança” nas ruas mais emblemáticas de Lisboa, e a polícia não tem meios para fazer face ao problema. Feita a ronda, feitas as declarações à imprensa, a chuva começou a cair. E, segundo um assessor de Cristas, a visita prosseguiu já sem o aparato da comunicação social.

Na “rua mais bonita do mundo”, lá continuavam os turistas a passar para tirar a fotografia da praxe. “Uma fotografia e uma pergunta sobre se querem comprar haxixe”, ironizou Francisco, que continua sem resposta para o problema que denunciou.

 

Fonte: Observador