Tancos: A ocasião faz o ladrão e neste caso parece-nos que a ocasião foi convidativa
Quarta, 09 Janeiro 2019 23:05    Versão para impressão

telmo tancos 1As audições da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Tancos tiveram início com a audição do coronel de Infantaria Manuel Joaquim Vieira Esperança, que foi comandante do Regimento de Infantaria n.º 15.

Um dos assuntos abordados pelos deputados foi o número de efetivos que faziam a segurança aos paióis - oito militares, de um pelotão de 44 efetivos, que tinham um mínimo de serviço de 24 horas, seguido de um descanso no mínimo de dois dias.

Para Telmo Correia esse número de efetivos não era suficiente, por não haver meios complementares de videovigilância a funcionar, que ajudassem à segurança dos paióis.

Telmo Correia leu mesmo uma passagem de um relatório do Ministério da Defesa, que falava numa redução significativa de efetivos. "Formalmente, consolidou-se por isso, já em 2007 (há mais de dez anos), uma redução de cerca de 75% do determinado inicialmente, mas realmente nunca efetivado, quanto ao número de militares a afetar à segurança dos PNT [Paióis Nacionais de Tancos]", descreve o texto de 108 páginas, intitulado "Tancos 2017: Factos e Documentos", da responsabilidade do gabinete do então ministro Azeredo Lopes.