CDS questiona ministra sobre a degradação do acesso a cuidados de saúde em Albergaria-a-Velha
Sexta, 15 Novembro 2019 12:19    Versão para impressão

centro saude albergaria a velhaOs deputados do CDS-PP João Pinho de Almeida e Ana Rita Bessa questionaram hoje a Ministra da Saúde no sentido de obter confirmação de que as extensões de saúde de Ribeira de Fráguas e de Valmaior estão encerradas por falta de médicos e que que justificação apresenta a tutela para esta falta de médicos.

João Pinho de Almeida e Ana Rita Bessa querem saber quantos médicos estão, concretamente, em falta e se a ministra da Saúde confirma que pontualmente encerram consultas em São João de Loure e Alquerubim e como o justifica, e se confirma que o Centro de Saúde de Albergaria-a-Velha esteve recentemente encerrado por infiltrações/inundações provocadas por um rombo na cobertura, com os danos e riscos de segurança.

Ainda, e tendo em conta que tanto o ACES do Baixo Vouga, como a ARS Centro e a tutela têm sido informados sobre todos estes problemas, os deputados do CDS-PP questionam que medidas já tomou a tutela para os solucionar, qual é o plano estratégico para a saúde local e respetivas linhas orientadoras, e se a ministra está em condições de assegurar que a prestação de cuidados de saúde atempada e de qualidade aos utentes do concelho de Albergaria-a-Velha não está, de modo algum, em causa.

O Grupo Parlamentar do CDS-PP tem vindo a ser informado sobre a crescente degradação no acesso a cuidados de saúde, no concelho de Albergaria-a-Velha.

De acordo com o que nos tem sido reportado, a situação, neste momento, é mesmo dramática.

No que diz respeito aos equipamentos:

- as extensões de saúde de Ribeira de Fráguas e de Valmaior estão encerradas por falta de médicos;

- pontualmente encerram consultas em São João de Loure e Alquerubim;

- o Centro de Saúde de Albergaria-a-Velha esteve recentemente encerrado por infiltrações/inundações provocadas por um rombo na cobertura, em que caíram placas do teto, a rede elétrica esteve comprometida, bem como as comunicações e rede informática, tendo os profissionais e utentes corrido sérios riscos. No entanto, e apesar das infiltrações e do risco para todos, o Centro de Saúde reabriu no dia seguinte. Alegadamente, o mau estado geral do edifício tem vindo, desde há muito tempo, a ser reportado ao ACES do Baixo Vouga, à ARS Centro e à tutela.

E no que diz respeito aos profissionais de saúde, é urgente a reorganização das equipas, a sua redistribuição pelo território, bem como a garantia de substituição de médicos, enfermeiros e administrativos. É essencial que se acabe com os encerramentos das extensões de saúde por falta de um elemento da equipa, uma vez que esses encerramentos obrigam os utentes a deslocarem-se para o Centro de Saúde de Albergaria-a-Velha – no estado em que se encontra atualmente e que acima descrevemos –, sem garantia de consulta e acabando, na maioria dos casos, a ser encaminhados para o Serviço de Urgência do Hospital de Aveiro.

Ora, a pressão sobre os profissionais é imensa, correndo-se o risco de exaustão profissional. Como é facilmente compreensível, basta faltar um elemento da equipa que toda a estrutura é afetada, dada a sua fragilidade.

A tudo isto acresce que, até à data, não se conhece o plano estratégico para a saúde local e consequente definição de linhas orientadoras.

Perante estes factos, o Grupo Parlamentar do CDS-PP não pode deixar de ficar muito apreensivo entendendo, assim, ser essencial obter um esclarecimento por parte da Ministra da Saúde.