Ana Rita Bessa questiona Governo sobre reabertura dos centros de explicações
Domingo, 07 Junho 2020 00:00    Versão para impressão

ana rita caldas 1A deputada do CDS Ana Rita Bessa questionou hoje os ministros da Educação e da Saúde sobre a data prevista para reabertura dos centros de explicações.

Ana Rita Bessa quer saber, da parte dos governantes, por que motivos não foram ainda autorizados a recomeçar a sua atividade os centros de explicações, se estes não consideram justos os argumentos apresentados pelos responsáveis por estes centros, nomeadamente os que comparam com outras atividades e escolas já autorizadas a recomeçar, e, ainda, se têm previsão de data para abertura dos centros de explicações.

Com o título «Centros de explicações continuam fechados e pedem medidas ao Parlamento», o jornal Público dá conta de que «os centros de estudos e de explicações ainda não têm data para a sua reabertura e o sector mostra-se “indignado” com o Governo por ter sido incluído entre as atividades que têm que continuar encerradas na terceira fase de desconfinamento. Com o aproximar dos exames nacionais do ensino secundário, que são habitualmente o momento de maior procura do ano, pedem à Assembleia da República que tome medidas no sentido de garantir a reabertura das atividades presenciais com os alunos.», garantindo que «Foram implementadas todas as normas de higiene».

Efetivamente, do Conselho de Ministros da semana passada inclui os centros de explicações e as escolas de línguas na lista dos estabelecimentos que têm que permanecer encerrados.

No entanto, as escolas de línguas têm autorização para abrir para a realização de provas, cumprindo o distanciamento físico recomendado pela Direção-Geral da Saúde, mas para os centros de explicações não constam quaisquer exceções no documento.

Os responsáveis pelos centros de explicações lançaram uma petição, lamentando e não compreendendo porque é que os centros de explicações não foram incluídos no plano de reabertura da terceira fase de desconfinamento, que contempla, entre outros, a reabertura do pré-escolar.

O texto questiona, «numa altura em que as escolas já reiniciaram as aulas presenciais para os alunos do 11º e 12º anos, em que universidades reiniciaram aulas práticas, em que escolas de condução reiniciaram aulas presenciais de código, porque não pode um centro de explicações reiniciar explicações presenciais?».

Frisando que o risco de contágio é menor do que em muitas das atividades que já reiniciaram atividade, os responsáveis pelos centros de explicações sentem-se, assim, «injustiçados», e pedem para «voltar a trabalhar de forma presencial com os explicandos, mesmo sujeitos a limitações, cumprindo todas as orientações da DGS […]».

Mesmo porque, afirmam, muitos destes centros já adquiriram equipamentos de proteção individual e divisórias em acrílico para as salas de estudo.