Reguengos: CDS quer ministras da Saúde e da Segurança Social e DGS no parlamento
Sábado, 15 Agosto 2020 19:03    Versão para impressão

reguengos larO CDS-PP requereu hoje a audição urgente, no parlamento, das ministras da Saúde e da Segurança Social e da diretora-geral da Saúde, tendo em conta os surtos de covid-19 em lares de idosos, anunciou o partido.

No requerimento, com a data de hoje e assinado pelos deputados Ana Rita Bessa e João Almeida, enviado à agência Lusa, o CDS-PP pede “com carácter de urgência as audições" da ministra da Saúde, Marta Temido, da ministra do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e da diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

“O CDS entende que é dever do parlamento acompanhar tudo o que se relaciona com a pandemia gerada pela doença provocada pelo SARS-CoV-2, designada por covid-19, designadamente as medidas que estão – ou deveriam estar – a ser tomadas em Portugal”, lê-se no requerimento.

O partido refere “os vários surtos que, desde o início da pandemia, se vêm registando em lares (IPSS ou outros), cujo caso mais grave ocorreu na Estrutura Residencial para Pessoas Idosas da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS), em Reguengos de Monsaraz, provocando 162 casos de infeção – 80 utentes e 26 profissionais do lar, e 56 pessoas da comunidade –, tendo morrido 18 doentes – 16 utentes e uma funcionária do lar e um homem da comunidade (de acordo com dados de 11 de agosto da Autoridade Municipal de Proteção Civil, até final de dia 9 continuavam ativos nove casos, dois deles hospitalizados em Évora, em enfermarias)”.

O CDS-PP lembra, que “o Ministério Público iniciou, em julho, uma investigação” a este surto e que “a Ordem dos Médicos (OM) realizou uma auditoria para averiguar a reação do lar face à situação, cujo relatório já foi divulgado, e conclui que a instituição não cumpria as orientações da Direcção-Geral da Saúde, e, entre outros factos, que vários doentes terão estado alguns dias sem as terapêuticas habituais, por falta pessoal para as preparar e administrar, tendo alegadamente havido casos de preparação e administração de fármacos por pessoal sem formação”.

“Segundo informação divulgada publicamente, continuam ativos surtos em cerca de 70 lares, com mais de 500 idosos infetados”, alerta.

O partido faz também referência à entrevista dada por Ana Mendes Godinho ao semanário Expresso, hoje publicada, na qual a ministra admitiu falta de funcionários nos lares, lembrando que há um programa para colmatar essa falha, mas considerou que a dimensão dos surtos de covid-19 "não é demasiado grande em termos de proporção".

“Infelizmente tem vindo a provar-se, nalguns casos da pior forma, que os utentes dos lares são um dos grupos de maior risco e com uma taxa de mortalidade de covid-19 muito elevada”, escreveu o CDS-PP.

Já hoje, o líder do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, pediu a demissão da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, na sequência da entrevista ao Expresso.

O presidente democrata-cristão declarou ao semanário que “a continuidade em funções” daquela responsável pela tutela “é uma questão de saúde pública - que se mantenha em férias e dê lugar a outro".