CDS questiona Governo sobre Escola Secundária Afonso Domingues
Terça, 08 Setembro 2020 13:15    Versão para impressão

afonso dominguesAna Rita Bessa e João Gonçalves Pereira questionaram o ministro da Educação no sentido de saberem que planos tem o Governo para o edificado e terrenos adjacentes da Escola Secundária Afonso Domingues, em Lisboa.

Os deputados do CDS querem saber se o ministro está a par do estado de abandono e degradação em que se encontra a Escola Secundária Afonso Domingues e respetivas áreas adjacentes.

Ana Rita Bessa e João Gonçalves Pereira questionam depois se o Ministério da Educação recebeu alguma proposta concreta, da parte da Câmara Municipal de Lisboa, com vista à recuperação e uso das instalações da Escola Secundária Afonso Domingues e áreas adjacentes, e, se sim, se o ministro pode confirmar se essa proposta está correlacionada com o projeto Lisboa Capital Verde Europeia 2020 e se contempla a requalificação e conversão da área adjacente ao edificado em corredor ecológico, no âmbito de um mais vasto projeto de ordenamento do território num corredor compreendido entre Chelas e a zona ribeirinha de Lisboa, e ainda se sim, se considera viável a concretização de tal projeto.

Se não, quando prevê o Governo que haja efetivamente uma solução para a Escola Secundária Afonso Domingues.

A Escola Secundária Afonso Domingues (inaugurada em 1956), na freguesia de Marvila, foi desativada e abandonada em 2010 quando se equacionava a construção da Terceira Travessia do Tejo, entre Chelas e o Barreiro, e o uso da ferrovia de alta velocidade (TGV).

Ao longo de 11 anos assistimos à vandalização, roubo e destruição de um edificado que, à época, tinha acabado de ser requalificado e equipado com computadores, quadros interativos e rede wireless. Para além da parca utilização destes meios constatou-se que o Estado foi incapaz de zelar pelo património ou atribuir-lhe algum uso.

Em fevereiro de 2013 o Ministério da Educação afastava a hipótese de reativar o equipamento escolar não descartando a hipótese de o edifício ter utilidade pública.

Toda aquela zona se degradou, originando que a envolvente se tenha convertido num local de vazadouro de entulho e lixo.

De forma a amenizar o estado desolador, em março de 2019, o então vereador Manuel Salgado anunciava que a Câmara Municipal de Lisboa estava a estudar a requalificação e conversão em corredor ecológico, no âmbito de um mais vasto projeto de ordenamento do território num corredor compreendido entre Chelas e a zona ribeirinha, enquanto tentava, em simultâneo, encontrar junto da administração central uma solução para o edifício escolar deixado vago.

Tal iniciativa coincidia com a proposta n.º 121 do Orçamento Participativo de 2018/19 «Corredor Verde Marvila-Beato», que propunha a plantação de árvores e a recuperação do terreno em frente à Escola Secundária Afonso Domingues.